APOLO 11 REGISTROU TERREMOTO EM MIRANDA COM 4.1 PONTOS, DE MAGNITUDE A 14 KM DE PROFUNDIDADE

www.gazetacentral.blogspot.com.br




Um terremoto de 4.1 pontos de magnitude foi registrado no Brasil, a 88 km da cidade de Miranda (MS), a 14 km de profundidade.

O evento ocorreu as 01h47 pelo horário de Brasília e teve seu hipocentro localizado abaixo das coordenadas 19.45S e 56.35W, a 88 km de Miranda, 127 km de Bodoquena (MS) e 128 km da cidade de Anastácio (MS).

Por que as  autoridades  brasileiras  não confirmam esse terremo.


Apolo11
1 h
Um terremoto de 4.1 pontos de magnitude foi registrado no Brasil, a 88 km da cidade de Miranda (MS), a 14 km de profundidade.
WWW.APOLO11.COM

EXCLUSIVO RAUL CASTRO DISSE NO MÉXICO QUE VAI DEIXAR O CARGO DE PRESIDENTE DE CUBA EM 2018

www.gazetacentral.blogspot.com.br
06/11/2015

Cuba e México na sexta-feira renovou seus laços com a assinatura de cinco acordos na primeira visita de Estado de Raul Castro, na cidade de Mérida (leste), onde o presidente cubano descreveu a relação entre os dois países como uma "irmandade indestrutível" .



Em uma manhã chuvosa, o presidente mexicano Enrique Peña Nieto recebeu  castro com um abraço no edifício colonial que abriga a grandes arcos governo do estado de Yucatán.

Os presidentes se reuniu e, em seguida, levar a assinatura de cinco acordos relacionados com a migração, turismo, intercâmbios educacionais e diplomática e agricultura.

Os dois líderes também destacou as novas oportunidades de investimento para os empresários mexicanos em Cuba.

Vestida com guayabera branca torrada, um traje típico morno península de Yucatán, os dois presidentes conversaram sorridente e relaxado.

"Viva a fraternidade para sempre indestrutível entre os povos de Cuba e do México", disse Fidel em uma mensagem à imprensa no final da reunião privada.

O presidente cubano recordou com emoção quando, em 1955, Fidel Castro e outros jovens foram "asilo e refúgio por muitos mexicanos" e, em seguida, partiu a bordo do Granma com a luta de Cuba pela independência.

"Nem nunca se esqueça de que o México foi o único país latino-americano que não romper relações com Cuba, quando toda a gente fez" em momentos críticos na década de 1960, disse Castro.

"O México recebe-o de braços abertos" e "abrir o coração" para fazer você se sentir em casa, por sua vez, disse Peña Nieto, que convidou investidores mexicanos para olhar para Cuba.

"Queremos ser um aliado neste tempo de mudança e abertura", disse o presidente mexicano.

Castro ficou satisfeito com o interesse que as empresas mexicanas têm mostrado em seu país, em particular no novo mega-porto de Mariel, 45 km a oeste de Havana, onde a carne mexicana empresa Richmeat foi o primeiro a investir.

Este "contribui significativamente para o processo de modernização económica que estamos muito à frente", disse ele.

A visita aconteceu após o degelo nas relações entre Cuba e os Estados Unidos num momento em que a Venezuela, o maior parceiro comercial da ilha, de frente para uma situação económica difícil.

Entre os acordos assinados destaques da migração, destinada a condenar o crescente fluxo de milhares de cubanos para território mexicano, tentando chegar aos Estados Unidos.

O acordo visa combater o tráfico, disse Peña Nieto.


Crise "comer e ir"

Esta é a primeira visita de Estado de Raul Castro para o México desde que tomou posse em 2006.

Como presidente de Cuba, Fidel Castro visitou o México para participar de várias reuniões multilaterais e aquisições, mas nunca fez uma visita de Estado.

Peña Nieto decidiu em 2013 para reconstruir a relação distante com a ilha através da assinatura de oito acordos bilaterais e o cancelamento de 70% de uma dívida de longa data de 487 milhões de dólares que causaram atrito.

Em maio de 2014, dezenas de empresários mexicanos, representando 48 empresas participaram de uma missão comercial a Cuba e México também abriu um escritório comercial em Havana desenvolvedor ProMexico.

México e Cuba chegou a quase quebrar em 2002, quando o presidente Vicente Fox perguntou-lhe em um telefonema para Fidel Castro se aposentar mais cedo a partir de uma cúpula da ONU sobre a pobreza em Monterrey (norte) para evitar um encontro com George W. Bush, o presidente dos Estados Unidos na época.

"Vem e vão," Fox, que em 2004 retirou seu embaixador de Havana e representante diplomático expulso de Cuba na Cidade do México, disse.



Em "Concluo 2018 e se aposentar"

Peña Nieto oferecido seu convidado uma refeição em um famoso quinto de Mérida, a primeira cidade mexicana que Castro sabia que em sua juventude.

Em uma tarde quente, o presidente cubano estendeu seu brinde para falar sobre a aposentadoria. "Não, eu vou chegar trisavô (...), porque os cubanos estão me entediado", disse ele, antes de acrescentar: "Em 24 de fevereiro de 2018 Eu concluo e vou me aposentar."

Castro falou durante a comida de seus quatro filhos, nove netos e bisneto quem o fará no início de dezembro, e seu desejo de voltar para Merida após deixar o cargo.

FALAR EM CRIME PASSIONAL É ENDOSSAR O PRATICANTE, MAS, FALAR EM CRIME DE RECEBIMENTO DE PRÊMIO OU PROMESSA É FALAR EM MERCENÁRIO , A PENA DOBRA ART 121 DO CÓDIGO PENAL , LARISSA GONÇALVES DE SOUZA FOI ASSASSINADA POR TRAIÇÃO E MOTIVO TORPE

www.gazetacentral.blogspot.com.br
06/11/2015
renato santos
A ideologia  tão  defendida de  homossexuais , sem querer  ser preconceituoso, faz  a sua  primeira  vítima, a  jovem de 21 anos, foi morta  com requintes de  crueldade, LARISSA  FOI ASSASSINADA, por que  o  comerciante de  35 anos,JOSÉ ROBERTO DOS SANTOS FREEIRE.  Amava  o namorado dela LUCCAS GAMERO.



Era modelo, agora  a policia  civil  está  trabalhando  para saber se esse namorado  teve participação, e quem  foi  o autor  da morte  dela, a que nível as pessoas  chegam, na moral e na consciência, um  planeja, paga e manda  matar  a  jovem, outros  faz o serviço  por dinheiro no valor de R$ 1.000,00.   

E  até  que sabe  o namorado dela esteja  mesmo envolvido, algo  ele fez, inocente será,?  fica uma pergunta  no ar, alguns jornais estão publicando  crime  passional, mas, não podemos aceitar  esse tipo de situação,  pois LUCCAS, queria  esconder  o fato, pois  ele também estava amando  o empresário.

Nenhum deles querem assumir  o que fizeram, pois  foram covardes, agora  usar  o crime passional, para  escapar da safadeza, ai não, tem que ser punidos a  rigor da Lei.

No termo  jurídico  ; CRIME  PASSIONAL.

Passional significa provocado pela paixão. É tudo aquilo motivado pelo sentimento excessivo da paixão. É um adjetivo que significa emoções amorosas fora do controle.

Pessoa passional é aquela que age movida pela paixão, pela falta de controle emocional. É aquela que tem comportamento impulsivo e inconsequente, desprovido de razão. 

É aquela que cria situações desastrosas e não conseguem raciocinar quando o assunto é sentimento. Pessoa passional é a que se revela impulsiva e descontrolada, no amor ou na raiva. Ser passional é ser egoista a ponto de agir sem medir as consequências.
Amor passional é quando a relação amorosa está repleta de ciúmes e brigas. É uma relação doentia, cercada de uma ardente paixão.
Crime passional é um crime praticado por paixão doentia, quando a pessoa perde o controle de suas ações. É um crime cometido por pessoa dominadora, e sem o domínio de suas emoções, que mata por ciúme, sentimento de traição ou vingança.
Seria  crime passional se o empresário  matasse  LUCCAS, nesse  caso caberia, mas, no caso da  jovem LARISSA, não, foi  mesmo elaborado planejado e  realizado, e poderá  ser  caracterizado  sequestro mediante a morte, pois a  vítima  tinha  descoberto  que ambos  eram amantes, ai, a  coisa muda de figura.

Foi um crime  encomendado, mas, o que  é  isso:

Paga ou promessa de recompensa, ou qualquer outro motivo torpe.

De acordo com Guilherme de Souza Nucci, "torpe é atributo do que é repugnante, indecente, ignóbil, logo, provocador de excessiva repulsa na sociedade". (Nucci, Guilherme de Souza. Manual de Direito Penal. 2005. RT). 

Na verdade, o homicídio praticado mediante promessa de recompensa constitui um mero exemplo, uma espécie, vamos dizer, do gênero torpeza.

O homicídio cometido mediante recebimento de prêmio ou promessa de prêmio é a conhecida morte encomendada a um mercenário, vulgo matador de aluguel. 

Por se tratar de circunstância elementar do delito, a mesma se comunica, de forma que tanto aquele que ordenou a prática do crime quanto aquele que executou o ato em si respondem pela infração penal do art. 121 em sua forma qualificada.




A polícia acredita que o assassinato da universitária Larissa Gonçalves de Souza, de 21 anos, encontrada morta na última terça-feira (3) em Extrema, no sul de Minas, teve motivação passional.
O empresário José Roberto dos Santos Freire, de 35 anos, confessou ser o mandante do crime por ser apaixonado pelo namorado da garota, o modelo Luccas Gamero, de 21 anos. Ele achava que Larissa o "atrapalhava". Freire teria contratado um casal de São Paulo, por R$ 1.000, para executar a garota. 
Segundo o empresário, Gamero queria esconder a relação amorosa entre os dosi, já que Larissa descobriu a traição em uma mensagem de celular. Desde o desaparecimento, o modelo deu várias entrevistas chorando e pedindo notícias e publicou pedidos de ajuda no Facebook. 

Segundo o delegado Valdemar Lídio Gomes Pinto, que investiga o caso, o motivo teria sido passional. A polícia ainda procura por outros suspeitos de participação no crime.
Segundo as investigações, a jovem foi morta no mesmo dia do desaparecimento e jogada em um local na Serra do Lopo, ponto turístico bastante conhecido em Extrema. Ela tinha ferimentos pelo corpo e apresentava indícios de estrangulamento.
O delegado afirmou ainda que o caso foi resolvido após o aparecimento de uma testemunha, que ajudou a chegar até o corpo. Logo em seguida, o suspeito de ser o mandante foi preso. 
Ele confessou o crime. A polícia também afirmou que o crime foi cometido devido ao ciúmes que o comerciante sentia do namorado de Larissa, que era modelo da loja dele. Conforme o delegado, uma testemunha teria provado à polícia que o comerciante e o namorado da jovem teriam um relacionamento.
O namorado de Larissa será ouvido como testemunha. Em entrevista ao G1, os pais da menina disseram não acreditar que ele tenha participação no crime.
"Foi tirado um pedaço da gente, eu não tenho mais condição, eu só peço justiça só. Ele (o namorado) não tem participação, não acreditamos", disse a mãe de Larissa, Nicéia de Oliveira Souza, ainda muito abalada.
"Se fez tem que pagar. Um anjinho desse, o que fizeram com ela, fez tem que pagar. Ela era é um anjinho, a gente conviveu com ela desde pequena, eu só queria saber por quê fizeram isso com ela, pra quê fazer isso, justo com ela, independente da pessoa, a justiça tem que ser feita", disse o tio de Larissa, Alexandre Pereira.


MÃES PROTESTAM NA CPI DE ASSASSINATO DOS JOVENS PELA PM NO RIO, AGORA CADÊ A CPI DOS POLICIAIS MORTOS POR BANDIDOS

www.gazetacentral.blogspot.com.br
06/11/2015

agêrncia 
senado
Dezenas de mães que perderam seus filhos no cotidiano de violência nas favelas do Rio de Janeiro tiveram a possibilidade, nesta sexta-feira (6), de relatar suas tragédias à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Assassinato de Jovens.



A audiência da CPI ocorreu na sede da Ordem dos Advogados do Brasil no estado, e contou com representantes do governo, do Judiciário, da polícia, de organizações de defesa dos direitos humanos e de familiares de vítimas da violência policial. Em debate, a política de segurança pública.
Entre os familiares das vítimas, em comum, além da revolta, ficou evidente a sensação de impunidade e o desejo de justiça. Presidida pela senadora Lídice da Mata (PSB-BA), a CPI do Assassinato de Jovens tem feito audiências fora de Brasília para colher dados e ouvir a população local.

Tiro nas costas

Uma das vozes ouvidas foi a da moradora da favela de Manguinhos, Ana Paula de Oliveira, mãe de Jonathans de Oliveira, morto aos 19 anos, em maio do ano passado, com um tiro nas costas dado por um PM.
– É preciso união contra esse discurso da impunidade. A vida dos nossos filhos também é importante. Não aceitamos não ter resposta da Justiça e do Estado.  A vida na favela vale tanto quanto a vida num condomínio de luxo. As vidas de nossos filhos têm valor sim – reclamou.
Emocionada, Terezinha Maria de Jesus, mãe de Eduardo de Jesus, de 10 anos, também protestou. O menino foi assassinado por policiais na porta de casa, no Complexo do Alemão, em abril. O inquérito foi encerrado recentemente, sem indiciar ninguém, o que causou revolta dos parentes.
– Meu filho é uma criança que estava na porta de casa. Alegaram troca de tiro, que não houve. Não aceito, é uma investigação podre e vou lutar com unhas e dentes para ver esses policiais punidos. Meu nome não é mais Terezinha, meu nome é justiça. Vou ver esses policiais atrás das grades – disse.

Investigações

O relator da comissão, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), responsável por pedir a realização da audiência no Rio de Janeiro, afirmou que o caso de Eduardo de Jesus não pode ficar impune e que vai lutar pela reabertura das investigações.
O senador também criticou propostas de mudança na maioridade penal e de flexibilização do Estatuto do Desarmamento e defendeu uma reforma no sistema policial brasileiro.
– Essa policia que está aí é treinada na estrutura de guerra ao inimigo e ao confronto. É uma loucura a PM ainda ser considerada pela Constituição como força auxiliar do Exército. Mas é bom que se diga também que temos a polícia que mais mata, mas também a que mais morre – lamentou.

Armamento pesado

O representante da Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Pehkx Jones da Silveira, fez um apelo a senadores e deputados para que lutem para transformar o porte de arma de guerra em crime hediondo.
Em audiência da CPI que investiga o assassinato de jovens, nesta sexta-feira (6), na capital fluminense, ele informou que a polícia apreende, em média, um fuzil por dia no estado. Além disso, é cada vez maior a apreensão de armamentos pesados — como granadas — muitas vezes manuseados por jovens.
— O secretário José Mariano Beltrame pediu para reforçamos a questão das armas. Peço em nome do secretário que tratem armamentos de guerra como crime hediondo. É algo que depõe contra o Estado Democrático e as instituições. Só Forças Armadas poderiam manusear esses equipamentos – reivindicou.
O pedido do governo estadual, no entanto, foi criticado pelo deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), que destacou o fato de 80% das vítimas de homicídios serem mortas por armas curtas, produzidas nacionalmente e sem controle estatal.
– Até quando o governo vai insistir em gerar essa cortina de fumaça? Lógico que existem armas de guerra, mas elas não são responsáveis pela maior parte das mortes e vocês sabem disso. Por que não se fiscaliza as empresas privadas de segurança? Aliás, boa parte delas tem como donos gente da área de segurança pública. Por que não se investiga isso? — disse o deputado.

Drogas

Com base em estudos recentes, o delegado da Polícia Civil Orlando Zaccone disse que o que acontece com negros e pobres hoje no país não é somente uma questão de violência policial, mas violência do Estado, que tem interesse o tempo todo de apenas individualizar a culpa sobre os excessos sobre o agente de segurança.
Ele defendeu a legalização da produção, do comércio e do consumo de drogas como forma de acabar com a “máquina de moer” do tráfico. Para ele, não adianta só descriminalizar a conduta do usuário e manter o mercado na clandestinidade.
– A AmBev, a maior empresa do país, vende drogas. Tem que acabar com essa hipocrisia. A legalização das drogas pode salvar vidas – defendeu.
O juiz de direito André Nicolitt tem opinião semelhante. Segundo ele, a legalização é um caminho para conter grande número de mortes, reduzir o encarceramento e evitar o sofrimento de milhões de famílias.
– Podemos fumar cigarro e beber uísque, mas algumas drogas o sistema capitalista resolveu coibir. Os males produzidos pela guerra às drogas são maiores que o uso, ainda que abusivo, delas.  Hoje o cigarro é droga lícita e seu uso está caindo drasticamente. Ou seja, há outros mecanismos para lidar com drogas, além do direito penal — afirmou.

PSDB JÁ COMEÇA A FAZER BAIXAS NOS GRUPOS QUE PEDIAM O IMPEACHMENT E A INTERVENÇÃO, NÃO VÃO ROLAR, ACORDA BRASIL NÓS VINHAMOS ALERTANDO

www.gazetacentral.blogspot.com.br
06/11/2015

renato santos

Só agora viram isso?
Nós da  www.gazetacentral.blogspot.com.br, vinhamos alertando  que  todos  estavam sendo usados  por pessoas  de mal caráter, ontem  publicamos  que o PSDB  mentiu ao  acusar que  houve fraudes nas eleições de  2014, querendo  comparar  com a VENEZUELA, e  agora JOSE?  


Hoje  o líder do  grupo fez uma espécie de desabafo sobre o comodismo dos brasileiros que mesmo sendo ferrados dia e noite não reagem, sequer pensam em se juntar à ocupação de Brasília.
Na sua lamúria, onde chega à infantilidade de 'falar bem' do governo Lula, Kim também diz que a maioria parece ainda esperar que 'alguém' (um ou mais salvadores da Pátria) resolvam os problemas pelo povo enquanto o próprio povo inventa mil e uma desculpas para não participar de protestos, ocupações e atos em Brasília e em todo país, se limitando a apenas xingamentos no Facebook
Ninguém mais tem tempo ou saco de discutir a permanência ou queda do governo do PT. Só os membros do governo têm. E eles se preocupam 24 horas por dia em manter seus cargos, esquecendo-se completamente de que sua função é governar, não espernear para manter o poder em suas mãos, disse Kim
O fato é que os 'acampados de Brasília', fizeram e ainda fazem o que podem, com o pouco que tem, apoiados por alguns cidadãos, mas já estão prestes a admitir que a 'história do Impeachment já era', não cola mais, sobretudo, depois dos acordões e do circo do PT, PMDB, com a Rede, PcdoB e outros comunistas que agem livremente com total vista grossa da oposição de merda.
HÁ TEMPOS, JÁ TÍNHAMOS ALERTADO, QUE NÃO BASTA APENAS DERRUBAR DILMA, DILMA DEVE SER DERRUBADA, ASSIM COMO PT, PMDB MAS TODO O SISTEMA DEVE SER QUEBRADO NO PAU.

Mas, convenhamos, essa tarefa de derrubar todo o sistema corrupto é uma tarefa de Hércules, ou seja, não será da noite para o dia e não será da forma como está sendo feita, sem guerra civil, sem suar a camisa e sem um eventual 'derramamento de sangue'. Não estamos na Índia de Gandhi onde o pacifismo colou por um tempo e aqui mexemos com bandidos de alta periculosidade, montados no dinheiro roubado do povo.
RESUMINDO: O que Kim do MBL e acampados estão à dizer, nas entrelinhas, mas que mesmo assim não admitem por completo, é que para derrubar o Foro de São Paulo e Comunismo Continental que se instalaram no Brasil e em outros países latinos, requer FORÇA, PAULEIRA, mas sobretudo, estratégia, inteligência, ocupar espaços, se infiltrar, como os vermelhos fizeram, só que por amor à Pátria e pela destruição total do comunismo/bolivarianismo disfarçados de democracia. Em suma: é pau e pedra, não tem outro caminho para derrubar os ladrões da república. 
COMENTÁRIO NOSSO
Antes, Kim e seus amigos, deveriam se perguntar: com que estamos lidando? E pensar, ah, estamos lidando com o crime organizado comunista, bolivariano, entupido de políticos da pior espécie, bandidos e tiranos disfarçados de democratas, montados no dinheiro roubado do povo durante 13 anos, e que farão o diabo para se manter onde estão. 

Ou seja, não sairão com acampamento pacífico de poucos na frente do Congresso  e não sairão via Impeachment, pois, derruba a 'vaca louca' e permanece a boiada de larápios. 
É isso que Kim e os acampados, assim como outros movimentos de mobilizações já deveriam ter conjecturado. 
AFINAL, estamos lidando com a pior espécie de corruptopatas e maníacos por poder e dinheiro, e para tirá-los de onde estão, requer força, recursos, suor, sangue, perdas e tempo. 

A questão é: a maioria da população está preparada para isso? A maioria vai ter coragem para tal? Quantas e quantas vezes, o FCSBR, em seus momentos de 'falar na cara' disse que 'reformar um país é como reformar uma casa, tem custo, leva tempo, faz bagunça já que precisa demolir algumas coisas, jogar fora entulhos e mesmo depois de pronta a reforma, ainda terá coisas por se fazer'. 

Agora, como é que você vai fazer uma reforma sem recursos? Sem gente? Sozinho? Assim é o Brasil. Se o povo em sua maioria não tomar coragem, nada muda. E do jeito que as coisas estão, infelizmente, vai ter natal com Dilma e pode ter mais 3 anos com Dilma e toda essa corrupção que não tem fim.

Assim caminha  os intervencionistas, que  também não terão apoio da  população, no  buraco est]ao  todos conformados  com  " a merda", o povo  é  covarde e ainda temos as  tragédias  em MINAS GERAIS, e  o pior a verdade de que o próprio PSDB   nunca  foi  oposição no BRASIL,e  ainda  o fechamento das  fábricas, é  povo marcado  pra ser escravos  mesmos. 

O QUE CAUSOU O DESASTRE EM MARIANA, NA BARRAGEM DE MINERAÇÃO? SABE-SE QUE A NASCENTE DO RIO SÃO FRANCISCO NASCE NA SERRA DA CANASTA, AGORA O MINÉRIO DA BARRAGEM JÁ CHEGOU NO RIO DOCE EM ESPÍRITO SANTO , E SEGUNDO O SINDICATO HÁ 45 TRABALHADORES DESAPARECIDOS E TREMORES DE TERRA JÁ SE SABE QUE NÃO FORAM A CAUSAS, A PERGUNTA É A MINERAÇÃO FECHOU A NASCENTE DO RIO SÃO FRANCISCO EM MINAS GERAIS ? SERÁ A CAUSA MAIS PROVÁVEL, SE FOI ISSO COMETERAM CRIME DO MEIO AMBIENTE

www.gazetacentral.blogspot.com.br


renato santos
06/11/2015

Pessoal, estou muito  preocupado  com a  situação das barragens no  Brasil. Essa barragem inaugurada pela Dilma em Alagoas No inicio do Rio São Francisco há 3 dias...não pode ser o agente dessas explosões nas barragens em MG??


O rio São Francisco é um dos mais importantes cursos d'água do Brasil e da América do Sul. O rio passa por 5 estados e 521 municípios, sendo sua nascente geográfica no município de Medeiros e sua nascente histórica na serra da Canastra, no município de São Roque de Minas, centro-oeste de Minas Gerais. 

Seu percurso atravessa o estado da Bahia, fazendo sua divisa ao norte com Pernambuco, bem como constituindo a divisa natural dos estados de Sergipe e Alagoas e, por fim, deságua no oceano Atlântico, drenando uma área de aproximadamente 641 000 km². 

Seu comprimento medido a partir da nascente histórica é de 2 814 km, mas chega a 2 863 km quando medido ao longo do trecho geográfico.[2] Seu nome indígena é Opará ou Pirapitinga[3] e também é carinhosamente chamado Velho Chico.


Apresenta dois estirões navegáveis: o médio, com cerca de 1.371 km de extensão, entre Pirapora (MG) e Juazeiro (BA) / Petrolina (PE) e o baixo, com 208 km, entre Piranhas (AL) e a foz, no Oceano Atlântico.

O rio São Francisco atravessa regiões com condições naturais das mais diversas e tem seis usinas hidrelétricas.

Em  outubro deste  ano de 2015, primeiro  sinal.

As já atrasadas e polêmicas obras de Transposição do Rio São Francisco tiveram mais uma falha nesta terça-feira (14). Desta vez, segundo fontes, o problema foi nos primeiros testes para o bombeamento de água do lago de Itaparica, às margens da cidade de Petrolândia, no Sertão pernambucano, objeto de mais discussão nesse fim de semana devido à situação na barragem, que está com 17% da capacidade total.



O Ministério da Integração Nacional deve se posicionar nesta quarta (15) sobre o assunto.

De Itaparica, a água deverá ser bombeada por mais de 60 metros de altura até um arqueduto que a levará por gravidade até Areias, outra das barragens no caminho das águas. Os primeiros seis quilômetros estão preenchidos com água no canal de aproximação, que vai da Barragem de Itaparica até a estação de bombeamento EBV1.

“Nenhum teste deu certo desde ontem, às 14h. O pior é que não sabem exatamente qual é o problema”, contaram os informantes do blog. De acordo com essas informações extra-oficiais, pode ter havido falhas técnicas e elétricas, como o travamento e o retorno da água, por exemplo. Duas das quatro bombas foram testadas desde essa segunda-feira, já que as outras ainda não foram instaladas.


EM AGOSTO DE  2014  O INICIO  DO PESADELO
O maior pesadelo da oposição começa a se tornar realidade.
As grandes obras de infra-estrutura iniciadas por Lula e, principalmente, por Dilma, começam a ganhar corpo. A transposição do São Francisco já é uma realidade.
***
Falta menos de 20% para concluir a Comperj, uma das maiores refinarias do mundo. A Abreu e Lima também já começou a funcionar.
Por isso queriam derrubar Dilma tão rápido, para impedi-la de ingressar num processo frenético de inaugurações de grandes obras de infra-estrutura, cuja falta, segundo as entidades que acabaram de assinar manifesto contra o golpe, é o principal problema do Brasil.
Em termos de infra-estrutura, a questão energética foi bem encaminhada por Dilma: o Brasil ganhou novas linhas de transmissão, integrou o sistema, inaugurou grandes parques eólicos e está terminando de construir as maiores usinas hidrelétricas do mundo.
O governo e o PT se tornaram dependentes de João Santana?
Só conseguem passar informações ao povo quando há campanha e tem algumas centenas de milhões de reais para gastar em programas de TV?
Por que não juntam alguns jovens cineastas para filmar o que está acontecendo no país?
Filmar não apenas o que há de bom, mas também o que ainda falta fazer, e por faltar tanta coisa é que não podemos mais perder tempo com essas intermináveis crises políticas.
Agora falta atacar de frente, por exemplo, o problema da mobilidade urbana.
Oxalá as conspirações midiático-judiciais não destruam todas as nossas empresas de engenharia, para que possamos resolvê-lo.
A China não veio aqui oferecer mais de R$ 200 bilhões para construir trens, incluindo uma ferrovia para ligar o Brasil ao Pacífico?
Cadê os planos?
Cadê a defesa política desse projeto?
***

Em Cabrobó, Dilma inaugurará canal de transposição do São Francisco
A presidenta Dilma Rousseff inaugurará na próxima sexta-feira (21), em Cabrobó, no sertão de Pernambuco, a 531 quilômetros de distância da capital pernambucana, as obras do canal de transposição do Rio São Francisco que atenderá cerca de 12 milhões de famílias do semiárido nordestino.
Dilma Rousseff inaugurará na próxima sexta-feira (21), em Cabrobó, as obras do canal de transposição do Rio São Francisco A inauguração desta obra será o ponto de partida do eixo norte da transposição do “velho Chico”. As bombas farão a captação da água do rio para o canal principal. Segundo a assessoria da Presidência, a presença de Dilma está prevista para as 11h30.
Em um ato simbólico, a presidenta deve ser a primeira pessoa que vai ligar os motores de captação de água. Quando estiverem em pleno funcionamento, as duas bombas levarão a água do rio São Francisco até a barragem de Terra Nova, passando em um percurso de 45 km de extensão por quatro aquedutos e o reservatório de Tucutú.
Em sua página no Facebook, o ex-presidente Lula comemorou o grande feito e ainda mandou um recado para os pessimistas: "Aquilo que muitos diziam ser impossível pode se tornar realidade". Ainda segundo postagem, "esse projeto aguardou séculos, desde o Brasil Império, para ser tratado como prioridade e sair do papel, o que começamos a fazer em 2007. Agora, colhemos os primeiros frutos", disse.

A grande prioridade para as decisões de gestão hídrica do Rio São Francisco sempre tem sido a geração de energia. São sete hidrelétricas com capacidade instalada de 10.356 MW, que corresponde a 17% da capacidade instalada no país e 98% da região Nordeste. Para a implantação dessas hidrelétricas, milhares de famílias habitantes das zonas urbanas e rurais foram atingidas – apenas em Moxotó, Sobradinho e Itaparica (BA) foram expulsas 23.877 famílias. Mesmo contribuindo para a geração de energia, as barragens também contribuíram para a alteração dos ciclos naturais de cheia e vazante do Rio, comprometendo as lagoas marginais e interrompendo o ciclo migratório dos peixes que ali se reproduziam, pondo em crise as principais atividades econômicas do povo ribeirinho, como a agricultura de vazante e a pesca.
O EFEITO DA CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS NO RIO SÃO FRANCISCO
Na medida em que as alterações induzidas pela ocupação humana avançaram, o estoque de recursos pesqueiros foi deteriorando e praticamente extinguindo a pesca artesanal. Notadamente, os maiores efeitos foram àqueles decorrentes dos barramentos do rio para fins de regularização de descargas e geração de energia.

A PERCEPÇÃO DOS PESCADORES DO BAIXO SÃO FRANCISCO
Os pescadores do Baixo São Francisco percebem que, pelo menos há uma década, o “tempo do rio não está mais associado ou marcado pelas grandes cheias do rio, que regulavam a pesca e suas vidas, com suas águas ora “sujas” (pós-cheia), ora “limpas””. 

Em relação aos aspectos sociais, identificam problemas graves com o declínio da pesca; aumento da pesca predatória e de pescadores clandestinos. Com a diminuição de peixes no rio São Francisco se perde, também, aos poucos, a maneira como se pesca e conseqüentemente os conhecimentos que não são repassados e aprendidos pelos mais jovens levando ao desuso dos métodos de capturar peixes. Além disso, nota-se, muitas vezes, a insatisfação com a falta de cooperação mútua entre os pescadores advindas das drásticas mudanças de hábito na região.

Pedra Branca e Riacho Seco
Mesmo com tantos impactos negativos das barragens existentes o governo não pára de elaborar cada vez mais novos projetos de barragens para o Rio São Francisco.
Dentro do PAC, está previsto leiloar a concessão para a construção da hidrelétrica de Riacho Seco, para gerar 290 megawatts (MW) e que já está com seu estudo de viabilidade econômica entregue à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
Há outros dois projetos de hidrelétricas em vista: em Pedra Branca, próximo a Cabrobó, que teria a capacidade de gerar 300 MW, e o do Pão de Açúcar, próximo ao município alagoano de Piranhas, para gerar 240 MW. Estas novas barragens no Submédio São Francisco, entre as de Sobradinho e Itaparica, vai expulsar milhares de antigos moradores, a maioria deles vivendo da pequena irrigação. Calculam-se 17 mil famílias.
No programa de monitoramento do PAC, o projeto de Pedra Branca, por enquanto, está classificado pela cor vermelha devido às comunidades indígenas que vivem na área de abrangência do empreendimento. As terras ocupadas pelos Tumbalalá e Truká estão em processo de demarcação. O cronograma do governo previa o leilão da usina de Pedra Branca em dezembro de 2008 e os responsáveis – nesse caso, Chesf, Odebrecht e Desenvix – só agora “perceberam” as terras indígenas e chamaram a Fundação Nacional do Índio (FUNAI) a se manifestar.
Em Minas Gerais está sendo estudado um sistema de múltiplos barramentos, com cinco barragens, para incremento da vazão mínima garantida no São Francisco e geração incremental de energia na cascata de UHEs da CHESF, em 300 MW. A CODEVASF ainda não tem previsão do início das obras. Mas os estudos, financiados pelo PAC, não param.
Há quem veja as barragens como parte do Projeto de Transposição do São Francisco – apesar do Governo Federal não deixar isso explícito. Elas seriam uma forma de compensar a perda de água para o sistema elétrico, em decorrência da retirada prevista no projeto.
Os impactos ambientais dessas barragens para a bacia são imensos. As espécies aquáticas têm a sua vida regulada pelos processos de cheia e vazante, que com as barragens tendem a acabar. Alem disso, com o barramento, devido à pequena velocidade das suas águas, ao baixo nível de oxigênio e ao alto nível de nutrientes (fósforo e nitrogênio) despejado pelo esgoto, o Rio das Velhas se tornaria um ótimo criatório das cianobactérias e centenas de comunidades seriam expulsas.
O Programa de Geração de Hidroeletricidade de Minas Gerais prevê um total de 101 barragens a serem instaladas na Bacia do Rio São Francisco do estado. Além das barragens para geração de energia, existem vários projetos de barragens com o objetivo principal de viabilizar perímetros irrigados.
A privatização do setor hidroelétrico no Brasil, na década de 1990, facilitou a formação de consórcios de empresas privadas e uma onda nova e maior de projetos de barragens, muitos dos quais foram classificados como PCHs. 

Essa tendência da privatização ameaça avanços e conquistas dos ambientalistas e do Movimento dos Atingidos por Barragens no tocante à participação dos atingidos no processo de licenciamento ambiental dos projetos. 

As inúmeras PCHs previstas para a bacia do Rio São Francisco não priorizam o desenvolvimento regional nem o acesso à energia elétrica a populações rurais mais pobres e distantes, mas sim o lucro das empresas com a venda de energia e os grandes empreendimentos industriais e do agronegócio. O procedimento das empresas na implementação dos projetos de hidroelétricas é caracterizado pelo desrespeito das comunidades atingidas, pela desinformação e promessas vazias.
Os moradores das comunidades ribeirinhas aos rios das Fêmeas e Grande protestam contra a construção das PCHs. Para eles, a usina coloca em risco o futuro dessas comunidades.
E estes problemas se repetem em muitos casos na Bacia do Rio São Francisco. Pois só no Oeste da Bahia estão previstos 49 projetos de PCHs e 22 barragens PCHs na Bacia Rio Grande.

BARRAGEM DE MINAS GERAIS  DE MINERAÇÃO

Segundo o jornal Estado de Minas, não há certeza sobre o número de desaparecidos, com o Corpo de Bombeiros falando em 13 e o governo do estado em 16. Uma morte apenas havia sido confirmada até o fim da manhã desta sexta. Isso corrige o que chegou a ser divulgado pelo jornal O Estado de S. Paulo na noite de quinta, de que seriam 17 mortos.
Bombeiros de Mariana e Ouro Preto, cidade vizinha, deslocaram-se para o local, mas algumas áreas estão sem acesso. Na quinta, o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Extração de Ferro e Metais Básicos de Mariana (Metabase) informou que entre 14 e 15 pessoas poderiam ter morrido e outras 45 estariam desaparecidas.
Já o promotor Carlos Eduardo Ferreira Pinto, coordenador de Meio Ambiente do Ministério Público Estadual, que estava na região na tarde de quinta, disse que haveriam pelo menos dez desaparecidos. “A situação é catastrófica, muito delicada”, disse. Três helicópteros dos bombeiros, Polícia Militar e Polícia Civil seguiram para a região.
Moradores das regiões de Paracatu e Paracatu de Baixo estavam sendo avisados para deixarem as casas, pois havia risco de serem atingidas pela lama de rejeitos.
A Samarco divulgou nota afirmando que mobilizou todos os esforços para priorizar o atendimento às pessoas e a mitigação de danos ao meio ambiente.
As autoridades foram comunicadas e as equipes estão no local prestando assistência. “Não é possível, neste momento, confirmar as causas e extensão do ocorrido, bem como a existência de vítimas.” Por segurança, a empresa pediu que se evitem o deslocamento de pessoas para o local, exceto as equipes envolvidas no atendimento de emergência.

Governo oferece ajuda a Minas no socorro a vítimas de rompimento de barragem

O ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, colocou as forças federais à disposição de Minas Gerais para atuação em Bento Rodrigues. Em nota, a Casa Civil informa que o ministro entrou em contato com o governador de Minas, Fernando Pimentel, para colocar as forças federais à disposição. Jaques Wagner comunicou a presidente Dilma Rousseff do acidente antes do embarque dela de volta de Alagoas para Brasília.
A Casa Civil informa ainda que, a partir do Ministério da Defesa, foram colocados em regime de prontidão os batalhões de Belo Horizonte e de São João del Rey, “que estão mobilizados para atuar de acordo com as necessidades locais”. Além disso, o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), órgão vinculado ao Ministério da Integração Nacional, está em comunicação permanente com o Estado e à disposição para atuar.
“A Força Nacional do Sistema Único de Saúde (FN-SUS) foi acionada e mantém contato com a gestão de saúde do estado para verificar as necessidades nas ações de resgate. Atuam, ainda, nas atividades de busca e salvamento, aeronaves da Polícia Civil e do Corpo de Bombeiros que sobrevoam o local”, diz a nota da Casa Civil.

HOJE: 06/11/2015

Minério de barragens que desabaram atinge o Rio Doce a 100 km de Mariana (MG)


Moradores da cidade de Rio Doce, na Zona da Mata, foram surpreendidos na manhã desta sexta-feira (6) pelo avanço dos rejeitos de minério de ferro das duas barragens que desmoronaram no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, na região central do Estado. 
De acordo com a Defesa Civil do munícipio, que fica a cerca de 100 km do local do ocorrido, os dejetos atingiram o Rio Doce, que banha Minas Gerais e Espírito Santo, por volta de 6h30. 
Conforme o representante da Defesa Civil da cidade, Rodrigo Paiva, já estão sendo feitos trabalhos de orientação junto às famílias que moram às margens do rio. 
A comunidade está sendo alertada a manter distância da água contaminada. A Polícia Militar do local também monitora a situação, mas, até agora, ninguém foi afetado. 
De acordo com o major do Corpo de Bombeiros, Rubem Cruz, a lama que desceu das barragens de Santarém e Fundão chegou também às cidades de Paracatu e Barra Longa. 
Militares da corporação estão se deslocando para o município onde farão o resgate dessas pessoas.  
Ao todo, 105 bombeiros trabalham na região onde aconteceu o acidente. Militares da PM (Polícia Militar) e do Exército, agentes da Guarda Municipal e Defesa Civil, funcionários da mineradora Samarco também auxiliam nas buscas por vítimas e na contenção de danos ambientais.
Até o momento, o Corpo de Bombeiros confirma a morte de uma pessoa. 
No entanto, o  Metabase (Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Extração de Ferro e Metais Básicos de Mariana) informou que o número de mortos pode ser muito maior e também há pelo menos 45 pessoas desaparecidas.  
Nesta sexta-feira, o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, e o governador de Minas, Fernando Pimentel, vão sobrevoar a região atingida e também devem acompanhar os trabalhos de busca
Já o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, colocou as forças federais à disposição do Estado de Minas Gerais. Ainda não há informações sobre o que teria provocado a tragédia e, o presidente da Samarco, Ricardo Vescovi, informou que a prioridade neste momento é o atendimento às vítimas.

Possivel causa: 

Três tremores de terra de pequena intensidade foram registrados no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, na região central de Minas, poucas horas antes e durante orompimento de duas barragens na tarde da última quinta-feira (5)De acordo com o Observatório Sismológico da UNB (Universidade de Brasília), os dois mais fortes foram sentidos pela população. 
Segundo a instituição, os tremores  mais significativos foram verificados às 14h12 e, logo em seguida, às 14h13, com 2,7 e 2,5 graus de magnitude, respectivamente. 
Já durante o acidente, outro abalo mais fraco, de 1,9, foi registrados. O professor do observatório, George Sand França ressalta, no entanto, que não é possível comprovar se os abalos motivaram os desmoronamentos. 
— O que sabemos é que estes tremores foram de magnitude pequena, não era para ter danos na barragem. 
São necessários estudos para dar a informação com mais clareza se eles causaram a explosão ou se foram causas naturais. Não temos como afirmar se foram os causadores do rompimento das barragens porque não estudamos a estrutura do local. 
Bom.  por mais que  tivesse tremores  não eram suficientes a ponto de romper a  barragem, nas escalas  de  magnitude, se fosse  em uma escala de  5.0 a 6,5. até  era  considerável, mas, ai Minas Gerais  toda  sentiram os efeitos, inclusive  o Estado do  Espirito Santo e  São Paulo. Portanto, descartasse .


O que causou o rompimento?

A Samarco disse ter registrado dois pequenos tremores na área duas horas antes do rompimento, por volta das 16h20 de quinta-feira, segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura de Mariana.
Não se sabe o que teria causado estes tremores - se seriam abalos sísmicos ou a força do próprio rompimento.
A empresa inicialmente informou que apenas uma barragem havia se rompido, a de Fundão, mas informou à noite que uma segunda barragem, a de Santarém, também sofreu ruptura.
Em comunicado divulgado em sua página no Facebook nesta sexta-feira, a empresa disse que "não há confirmação das causas e a completa extensão do ocorrido" e que "investigações e estudos apontarão as reais causas".
Segundo a Samarco, a última fiscalização das barragens pela Superintendência Regional de Regularização Ambiental (Supram) foi em julho deste ano e indicou que elas estavam em "totais condições de segurança".
Sabe-se que as barragens continham água e rejeitos de minério de ferro. A maioria deste material é considerada de baixo potencial poluidor, segundo artigo da Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto.
A empresa disse nesta sexta que o rejeito é inerte. "Ele é composto, em sua maior parte, por sílica (areia) proveniente do beneficiamento do minério de ferro e não apresenta nenhum elemento químico que seja danoso à saúde".
Especialistas seriam enviados à área nesta sexta-feira para avaliar o material que vazou.
DEBATE  DATA 27/09/2015
A pior seca dos últimos 100 anos no estado e a transposição das águas do rio São Francisco são temas de uma audiência pública que acontece na manhã desta segunda-feira (28) na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Participam do debate, além dos deputados estaduais, toda a bancada federal, vereadores, prefeitos e lideranças partidárias. Ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi também deve participar do evento, intitulado RN pela Transposição. A audiência está marcada para ter início às 9h.
As obras de transposição do São Francisco, que estão com 78,6% das obras concluídas segundo dados de agosto deste ano, possuem mais de 700 quilômetros de canais de concreto em dois grandes eixos (Norte e Leste) ao longo do território de quatro estados nordestinos (Pernambuco, ParaíbaCeará e Rio Grande do Norte). Em agosto, a estação de bombeamento do Eixo Norte foi inaugurada pela presidente Dilma Rousseff, que esteve em Pernambuco
Na ocasião, ela garantiu aos deputados estaduais e ao governador do RN, Robinson Faria (PSD), a conclusão do trecho de 6 quilômetros que fará a transposição passar da Paraíba ao Rio Grande do Norte.

A outra forma de a água entrar no estado será com a construção um sistema denominado Ramal Apodi, uma etapa da obra que faz parte do chamado Eixo Norte da transposição. Por este ramal, as águas deverão correr por canais, túneis, aquedutos e barragens, totalizando 115,5 quilômetros de extensão. Para isso, ainda de acordo com o ministério, estima-se que 857 propriedades terão que ser relocadas ou os donos indenizados em treze municípios da Paraíba,Ceará e no próprio Rio Grande do Norte.
Em solo potiguar, a transposição afetará famílias em Luís Gomes, Major Sales e José da Penha, por onde o ramal passará até chegar ao açude público de Pau dos Ferros, de onde as águas partirão até Angicos, já na região Central do estado. Ao final do percurso, 44 municípios devem ser beneficiados. O MI afirma que todo o Eixo Norte tem investimento orçado em R$ 5,25 bilhões e que já trabalha na elaboração do edital de licitação para que os serviços no Rio Grande do Norte tenham início. Só não disse quando.
Em Luís Gomes, cidade potiguar que faz divisa com a Paraíba, muitos moradores já foram procurados. José Vandilson Nunes da Silva tem 39 anos. Agricultor, ele disse que no ano passado técnicos do Ministério da Integração Nacional o contrataram para fazer a demarcação do terreno por onde o Ramal Apodi vai passar. Ao mostrar as estacas fincadas no chão, ele contou que recebeu a informação que pelas terras que ele possui, uma área de 2 hectares e meio, receberá algo em torno de R$ 40 mil.
O agricultor também mostrou o prédio de um posto de saúde que estava sendo construído na região, e que teve as obras interrompidas porque fica no caminho do ramal. “Pararam a obra na hora. Ia continuar pra quê? Pra depois ter que derrubar tudo?”, ressaltou.




Anuncio

Seguidores

CAMPANHA PRA VENEZUELA

CAMPANHA  PRA  VENEZUELA
PRECISA DE AJUDA HUMANITÁRIA

As principais matérias do blog