Rodrigo Maia o Plano "B" Para Não deixar O Comunismo Entrar no Brasil Maia seria o Favorito Numa Eleição Indireta em 2018 <<>> Seria Uma Reivindicação da Intervenção Constitucional Regida Pela Constituição Caso Michel Temer Seja Cassado






RENATO SANTOS  17/07/2017  Grupos  de Intervencionistas pediram a  Intervenção  seja  Militar  ou  Constitucional, nas rede  sociais  e  na ruas, porém não foram  divulgados com a exceção  do  blog . 

Podemos  dizer  sem medo caso  Michel Temer  deixa a presidência,  o  Brasil  volta  aos  anos  80, passando  o poder a Rodrigo  Maia, tudo  isso  por que  o partido  do Presidente da Câmara foi  repaginado do  antigo Arena  ao   PFL. 



Criando assim   o  chamado  meio  termo o partido DEM, pelos seus dissidentes que  sustentou o regime  militar e não  ao golpe militar  como afirmaram  os verdadeiros  traidores do País. 

Por esse  motivo a GAZETA CENTRAL ( BLOG), mudou  o slogam   que  dizem  DEUS, PÁTRIA E FAMILIA na verdade  é DEUS  FAMÍLIA E NAÇÃO.

Precisamos  conhecer a  nossa  História  para  não cairmos  ao engano  e  erro, como queriam  os chamados esquerdistas idiotizados .

O  Brasil chamais  será  comunista, pois  temos a honra , a dignidade, o respeito, a família, a educação e  a Ordem  e Progresso, além  do trabalho, valores  morais, éticos, crenças, e o principal  a  liberdade de escolha.

A  artimanha  não  tinha  limites, mentiram  enganaram a todos como estávamos enganados,  tudo  aconteceu  pelo  maior comunista e corrupto  Senador  ( ACM),  quando o regime militar a qual a imprensa da esquerda  chama de ditadura militar, se aproximava  do  fim quando  o ex- governador baiano Antonio Carlos  Magalhães usando de  suas prerrogativas  criou  uma crise  institucional contra um dos homens  mais  fortes  o ministro da Aeronáutica brigadeiro Délio jardins de Matos.

Sem sabermos  começa as primeiras articulações  dos comunistas acusem  seus  inimigos  o que  voce é,  por  suas  vez tínhamos  outro  comunistas  Tancredo Neves, hoje  seu neto Aécio Neves  mostra  a sua verdadeira  face,  Matos  já alertava o que estava  prestes acontecer,  ele  mostrou que ACM era  um traidor por  rejeitar a candidatura do  governista  Paulo  Maluf na  eleição  indireta para a Presidencia e  passou apoiar o oposicionista  Tancredo  Neves, que  nos  atuais  dias maluf  não é  confiável .

Aqui  começava a CLEPTOCRACIA, mas,  ninguém sabia  o que era,  eles  tentaram de tudo  como  hoje, a distorcer a história  do Brasil e  envergonhar  os  Militares,  usavam  de duas  estratégia de ataque, um  com ACM e  outro  MALUF.e  o meio  campo  era  TANCREDO  NEVES.

Quem  não se lembra de uma cena  patética do ACM chamando o  brigadeiro de  "  traidor"  e  acusando  de  apoiar  corruptos, só que  ninguém  defendeu  o Brigadeiro  Matos.

O  Pior  ainda  estava  por acontecer  naquela  época, mais uma vez  a  globo  deu destaque  aos  comunistas em suas reportagens  e passou  a criar  uma  imagem  contra  os militares.

A  declaração expôs o racha dentro  do partido,  que  passados seus 33  anos e após nova metamorfose,  volta a se acercar da cadeira presidencial  - agora  com  o nome Democratas ( DEM),
mas antes  voltemos  ao passado, enquanto  o ARENA se rachava, articula-se  em  criar do MDB, o partido de movimento democrático brasileiro uma ala  de esquerda moderada, para  cria-se mais tarde  outra  ala  centro esquerda chamada PSDB  e extrema esquerda  PT,  e   com  isso  dava-se a morte da direita ,  hoje  depois do PT, PDDB E PSDB que colocaram o BRASIL nesse  caos,  durante  seus  reinados, apoiados  pelos  partido  nanicos como PSB, PSD,PSOL,REDE,ambos  filhotes  do PT,  que  agora querem o fim de MICHEL TEMER, alegando ser  governo  ilegítimo sendo que foi eleito pela democracia na chapa DILMA-TEMER, 


Hoje esses  partidos  que  só  servem  para atrapalhar a democracia, são os mesmos que recebem  dinheiro  de emendas constitucionais, a qual  todos  os governos  dão, eles  pensam que o povo é  burro, na  época em  1980,  o  chamado lanche genial era  o  golpe dos esquerdistas infiltrados  no ARENA, MDB, a qual  anos depois em  1991, mostrariam a sua " cara".

Ao  criticar  publicamente um ministro fazem isso até  hoje criticando o  governo de MICHEL TEMER, com pensamento retro ainda  se iludem  com  o que eles chamam de  ditadura, e usam as  mesmas  cenas que  fizeram no passado, é  como repetisse o  disco.

O gesto de ACM surpreendeu ainda mais porque ele pertencia ao Partido Democrático Social (PDS), que apoiava o governo militar e era o sucessor da Aliança Renovadora Nacional (Arena), sustentáculo político do regime após o golpe de 1964.

O  começo de uma  mentira ,  em 1985, em meio às articulações no Congresso para a eleição indireta, dissidentes do PDS deixaram a sigla para fundar o Partido da Frente Liberal (PFL).

O partido nasceu forte. Após apoiar a vitória de Tancredo sobre Maluf, ACM foi nomeado ministro das Comunicações, posto que impulsionou sua trajetória política e o fez se afastar do passado arenista.
Como ministro, o baiano viajou para Cuba e conectou a rede telefônica da ilha à do Brasil. Ao ajudar a reaproximar as duas nações, ganhou a amizade do líder cubano Fidel Castro. "Depois disso, sempre que Fidel viajava para a África do Sul ou para a Argentina, mandava o avião descer em Salvador e ia jantar com o ACM", . "O PT ficava irritadíssimo, porque o grande ícone da esquerda latino-americana os esnobava para encontrar um cara que eles viam como reacionário e direitista."
O  crime  de  Lesa  Pátria  começou  com o ACM, outro egresso da Arena e fundador do PFL, o senador pernambucano Marco Maciel também assumiu um ministério após o fim da ditadura - o da Educação. Dois anos depois, migrou para a Casa Civil.
Na eleição de 1994, Maciel se elegeu vice-presidente da República na chapa encabeçada pelo tucano Fernando Henrique Cardoso.
O pernambucano teve um papel central no crescimento do PFL. "Era um político muito equilibrado e não dado a radicalismos." A postura de Maciel punha em xeque a ideia de que a Arena agregava apenas políticos truculentos ou submissos aos militares - crença que rendeu à sigla o apelido de "partido do sim, senhor". Quando ministro da Educação, Maciel se cercou de assessores qualificados e estimulou as universidades federais a criar centros de estudos regionais, focados na Ásia, África, América Latina e Europa. "Foi uma ideia interessante, mas infelizmente poucas universidades a adotaram."Em 2016, após o impeachment de Dilma Rousseff, o partido - rebatizado de DEM desde 2007 - voltou ao comando do MEC pelas mãos do também pernambucano Mendonça Filho.

bbc 17/07/2017


Trabalho nos bastidores


Fleischer conta que mesmo alguns membros da Arena que entraram na política com a ajuda dos militares tomavam decisões que desagradavam a chefia do regime - caso do próprio Paulo Maluf.
Ele diz que, nas eleições indiretas de 1978, o presidente Ernesto Geisel queria que o ex-governador Laudo Natel fosse o candidato do PDS ao governo de São Paulo.
"Mas Maluf trabalhou nos bastidores, no que sempre foi muito bom, e conseguiu ser escolhido como o candidato do partido e ganhar a eleição - um feito formidável."
Ainda assim, a influência de políticos da Arena/PDS no governo militar era limitada, diz o professor.
"No governo Costa e Silva (1967-1969) eles tinham algum espaço, mas nos anos de chumbo, no governo Médici (1969-1974), tinham pouco. Só quando Geisel assumiu, em 1974, voltou a haver mais diálogo."
Já economistas filiados à Arena - entre os quais Delfim Netto, Roberto Campos e Mário Henrique Simonsen - tiveram papel importante durante todo o regime e ajudaram dar uma marca ao partido.
Segundo a cientista política Camila Rocha, da USP, os empresários que nos anos 1980 fundaram os primeiros centros de pesquisa e debate (think tanks ) brasileiros pró-livre mercado tinham laços com o PFL - especialmente com a família Bornhausen, de Santa Catarina.
O banqueiro Olavo Setúbal (1923-2008), do Itaú, também integrou o partido.
Rocha, que pesquisa a nova direita brasileira, diz que a legenda preservou as bandeiras econômicas mesmo após as mudanças de nome.
"Claro que entre prefeitos, vereadores e deputados estaduais do DEM você encontra todo tipo de ideologia, mas a elite do partido continua defendendo essas posições."
Ela afirma que um dos mais conhecidos economistas liberais do país, o atual presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, ajudou a redigir o programa econômico do DEM em eleições passadas.
Segundo Rocha, ainda que tenha perdido espaço após o fim do governo FHC, o partido mantém "capacidade de atração" entre os grupos da nova direita. Cita como exemplo a filiação ao DEM de Fernando Holiday, um dos líderes do Movimento Brasil Livre (MBL), eleito vereador em São Paulo em 2016.
Ela diz ainda que a Fundação Liberdade e Cidadania, ligada ao partido, "integra redes internacionais conservadoras e é razoavelmente atuante nesses círculos" - postura rara, senão única, entre as demais siglas brasileiras.
Rocha define o DEM como um partido "conservador nos costumes e pró-livre mercado na economia".
Para Fleischer, da UnB, trata-se de um partido de "centro-direita".
"Na época da Arena estavam na direita porque não tinha alternativa. Hoje não são tão radicais - o [deputado federal Jair] Bolsonaro não caberia, por exemplo", diz o professor.

Livre iniciativa e empreendedorismo


Egresso do PDS e do PFL, o atual presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), diz à BBC Brasil que hoje o partido é de "centro".
Ele afirma que as principais bandeiras da sigla são a "defesa da livre iniciativa e o empreendedorismo".
"Direita é a defesa do capital privado em detrimento de qualquer outra coisa. Para nós, em primeiro lugar, vem o emprego e, depois, o capital privado."
Agripino cita ainda, entre as principais posições do partido, "a formação da individualidade pela via da educação, a distribuição de renda, a proteção à propriedade privada e o prestígio ao agribusiness".
Os dois últimos pontos parecem conflitar com duas diretrizes do DEM listadas em seu site: a defesa da reforma agrária, "possibilitando o acesso à propriedade fundiária e seu efetivo aproveitamento", e de uma reforma urbana "que consagre a prevalência do interesse coletivo".
O partido diz ainda defender a "concessão de prioridade nacional para o Nordeste" e a "preservação dos diferentes aportes à formação da cultura brasileira, especialmente a contribuição negro-africana e a indígena".
Para Camila Rocha, ao assumir essas propostas, o partido tenta acenar a outros públicos. "É muito difícil ganhar eleições no Brasil só com um discurso pró-mercado."

Nova embalagem


O movimento para o centro ganhou um impulso simbólico com o abandono do termo "liberal" e a fundação do Democratas, em 2007. Naquela época, o partido - antes uma das maiores forças do Congresso - tentava se reorganizar na oposição.
Até que a legenda levou um duro golpe em 2010, quando o ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab deixou o DEM e levou vários colegas para seu recém-criado Partido Social Democrático (PSD) - entre eles, a senadora Kátia Abreu, hoje no PMDB. A bancada da sigla minguou, e houve até quem previsse que o partido acabaria.
O DEM ganhou novo fôlego em meio aos protestos contra Dilma Rousseff, quando alguns de seus expoentes - caso do senador ruralista Ronaldo Caiado (GO) - souberam surfar no sentimento anti-PT com duros discursos contra o governo. O partido votou em bloco pelo impeachment da petista e aderiu à base do governo Temer.
Mas a tacada que deixaria a sigla à porta do Planalto foi dada em julho de 2016, na articulação para a vitória de Rodrigo Maia na disputa pela Presidência da Câmara. A eleição era especialmente importante porque, com a posse de Temer, o presidente da Câmara se tornara o próximo na linha sucessória para o Palácio do Planalto.
O cargo estava vago após o Supremo Tribunal Federal afastar o deputado federal Eduardo Cunha, envolvido na Operação Lava Jato. No Congresso desde 1999, Maia conseguiu unir partidos da base e da oposição numa candidatura de oposição a Cunha, que tentava emplacar seu aliado Rogério Rosso (PSD) no posto.
Com o apoio de deputados de 13 partidos - inclusive parte do PCdoB -, Maia ganhou de Rosso por 285 votos a 170. Segundo Agripino, a mudança do nome para DEM foi sugerida pelo ex-governador catarinense Jorge Bornhausen, que anos depois também acompanhou Kassab rumo ao PSD.
O rebatismo foi ironizado por adversários políticos. Em 2010, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que, mesmo mudando de nome, o partido tinha "a ditadura em seu DNA".Agripino rejeita o laço com os militares e diz que o partido nasceu justamente por se contrapor à ditadura na disputa entre Tancredo e Maluf.
"Optamos por apoiar um adversário nosso, Tancredo, porque ele tinha compromisso com a democracia. O PFL foi fundado para fazer uma aliança que possibilitasse uma eleição direta para presidente da República", diz o potiguar.
No entanto, em possível ato falho, Agripino usa o mesmo termo empregado pelos militares ao se referir ao golpe de 1964: "Associar-nos à revolução é um equívoco".O senador rebate outras críticas comuns ao partido: a de que a abrigaria "dinastias políticas" e teria pouco espaço para mulheres.
O próprio Agripino é filho de um político da Arena, o ex-governador potiguar Tarcíso Maia, além de primo do ex-prefeito carioca César Maia, pai de Rodrigo Maia.Mendonça Filho, o ministro da Educação, é filho do deputado arenista José Mendonça Bezerra. Outro membro do partido em ascensão é o prefeito de Salvador, ACM Neto, herdeiro político do ex-governador baiano.
Segundo Agripino, trata-se de "coincidências". Alguns herdam a vocação política dos pais, mas o ingresso no partido não se dá por "herança."Sobre a fraca presença feminina, diz que "não somos diferentes da média da política brasileira".
Nas últimas semanas, conforme Temer passou a cambalear com as denúncias da JBS, cresceram os rumores de que o DEM poderia absorver congressistas do PSB (Partido Socialista Brasileiro) interessados em integrar um eventual governo Rodrigo Maia.
Muitos no Congresso avaliam que, se assumir o posto de Temer, Maia seria o favorito numa eventual eleição indireta à Presidência e se credenciaria para concorrer outra vez ao cargo, em 2018.Agripino confirma as tratativas com os socialistas. "Há conversas em curso, até porque o grupo conversando conosco tem uma afinidade forte com o pensamento do partido."
Questionado sobre a permanência do DEM na base do governo, diz que ela depende da qualidade das explicações de Temer."Estamos prisioneiros da consistência dos argumentos do presidente. Enquanto estivermos protegidos pelos argumentos, o apoio está garantido."


assistem  o  video  nesse  canal 
a

Gazeta Central Google

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Espaço Publicitário

Seguidores

CAMPANHA PRA VENEZUELA

CAMPANHA  PRA  VENEZUELA
PRECISA DE AJUDA HUMANITÁRIA

As principais matérias do blog