GAZETA CENTRAL INSTAGRAM

COP 21 HÁ UM CLIMA DE DESCONFIANÇA ENTRE OS MANIFESTANTES NA FRANÇA

www.gazetacentral.blogspot.com.br

renato santos
29/11/2015

LB com Mikael Libert, Caroline Delabroy, Mickaël e Nicolas Bosredon Stival

Eles atraíram milhares de pessoas em Marselha, Lille, Bordeaux, Toulouse ... Manifestações proibidas em toda a França por prefeituras tiveram lugar este domingo.



Enquanto em Paris, o lugar de reunião da República tem aumentado, levando a confrontos entre a polícia e alguns manifestantes em outros lugares cadeias e passeatas ocorreram pacificamente.

Procissão improvisada em Lille

Em Lille, os organizadores tinham planejado uma string. Mas lagartas redondas formadas por pequenos grupos que structuraient um por um, uma procissão nasceu que se juntou em bom humor os passos da Opera House na cidade.

Em toda a França, os manifestantes enfrentaram o estado de emergência

"A nossa marcha para o clima foi banido, enquanto o mercado está aberto a isso", explica Philippe, um dos participantes, que também disse pelo pessimista sobre os resultados da COP 21. 

"Eu não acho que algo concreto pelo que esta reunião de chefes de estado, muito subserviente aos interesses financeiros. "
Bordeaux e Toulouse, na calma

Em Toulouse, 400, segundo a polícia, e 1.000 manifestantes, organizadores, desafiaram a proibição e marcharam ao longo das avenidas depois de formar uma corrente humana como em todo o mundo. Um helicóptero acompanhou a procissão mas a polícia não intervieram, tem visto o nosso repórter no local.

Mesmo passividade em Bordéus, onde as forças de segurança fizeram discreta. "Nós vimos alguns policiais, nos disse um militante Europa Ecologie Les Verts, eles não nos dizem nada. "Várias centenas de Bordeaux podem formar uma cadeia humana impressionante. 

Como em qualquer outro lugar, os participantes não tinha a intenção de desistir de sua reunião devido à emergência.

"Nós não entendemos por que ele mantém certos eventos, tais como mercados de Natal, o que deixa milhares de pessoas fazem as lojas St. Catherine Street, e que nos impede, mantemos um comício pela paz."

A VERDADE SECRETA : A evidência de que Riyadh teria participado nos ataques contra o World Trade Center iria aparecer em um documento censurou há 13 anos, a administração Bush

www.gazetacentral.blogspot.com.br

renato santos
29/11/2015

Elements, discussão e história sobre algumas questões sensíveis de segurança nacional. O documento abalaria Washington. 28 páginas, que iria apontar responsabilidades, diretos ou indiretos, a Arábia Saudita nos ataques ao World Trade Center, que infame 11 de setembro de 2011. 



Ele também iria questionar o consulado da Arábia Saudita em Los Angeles, Embassy países em Washington, bem como sauditas ricos instalados em Sarasota, Flórida.

Estes eram parte do relatório de 28 páginas em 11 de setembro do Comitê de Inteligência do Senado, lançado em 2002. Antes de serem removidas e classificadas, a pedido da administração Bush. E, de acordo com Le Figaro, eles encontram-se hoje em um quarto seguro da Câmara dos Deputados ... mas pode ressurgir.

Desclassificação necessária

Para Bob Graham, ex-vice-presidente da comissão parlamentar que investiga os ataques, requer nova publicação, mesmo alegando que o governo saudita estava diretamente envolvido no financiamento do 11 de setembro de 2001, e que alguns homens-bomba ter recebido dinheiro com este governo.

"Os sauditas sabem o que eles fizeram, eles sabem que nós sabemos. (...) Para mim, nós mostramos que o que eles fazem, não haveria impunidade. 

Então, eles continuaram a apoiar a Al-Qaeda, e mais recentemente no apoio económico e ideológico para o Estado islâmico. É a nossa recusa de encarar a verdade que criou a nova onda de extremismo que atingiu Paris ", diz o ex-senador nas colunas do Le Figaro.

Em 2002, o republicano (ex-Democrata) só levou sua luta para a desclassificação do documento famoso. Mas depois de uma conferência de imprensa em janeiro deste ano no Capitólio, o republicano Walter Jones eo democrata Stephen Lynch entrou para a batalha, com uma resolução HR 428 pedindo a desclassificação.

E Obama?

E, embora nós já sabíamos que a maioria dos bombardeiros eram cidadãos sauditas, a publicar esta curta passagem evocando possível financiar Riyadh, poderia prejudicar as relações entre Washington e do país, um tradicional aliado dos Estados Unidos no Oriente -orient. 

Por seu lado, a Arábia Saudita nega a responsabilidade e, de acordo com Le Figaro, pediu a desclassificação, a fim de "limpar seu nome".

Ainda assim, para o senador democrata Charles Schumer, citado pela Paris Match, o fato de que Obama tem continuado a manter o segredo "só reforça a teoria de que o governo dos EUA protege a Arábia Saudita."


Anuncio

Seguidores

CAMPANHA PRA VENEZUELA

CAMPANHA  PRA  VENEZUELA
PRECISA DE AJUDA HUMANITÁRIA

As principais matérias do blog