GAZETA CENTRAL INSTAGRAM

VAI VENDO BRASILEIROS VAI VENDO VENEZUELANOS : LAS DEUDAS DE VENEZUELA CON EMPRESAS DE BRASIL LLEGARÍAN A 6.000 MILHNES DE DÓLARES


Las deudas de Venezuela con empresas de Brasil llegarían a 6.000 millones de dólares


Renato Santos 29/01/2017  En lugar de fomentar la producción nacional y ayudar a los empresarios nacionales, el régimen les hace la guerra asfixiándolos, promoviendo la importaciones y ayudando a la economía de otros países. 

El régimen venezolano es un cáncer que ha hecho metástasis y se ha diseminado por Latinoamérica, pero como todo cáncer tiene sus días contados y ya sea que entre en remisión o el paciente se muera, igual se va a acabar más temprano que tarde. 

Lo primero que tienen que hacer es ponerles la lupa a todos los vagabundos del TSJ y las FAN, pasando por los ministros y el presidente, sin olvidarse de sus familiares ya que los hechos demuestran que también hasta los familiares de estos vagabundos, se creen que están libres de hacer lo que les venga en ganas. “PROHIBIDO OLVIDAR”, los venezolanos tienen memoria corta, recuerden quienes fueron los civiles, jueces y militares que nos han llevado a esto, tienen que recibir castigo.


Las deudas que Venezuela mantiene con empresas brasileñas que exportan para ese país puede llegar a unos 6.000 millones de dólares, según los cálculos de expertos de la Fundación Getulio Vargas .


El informe de esa institución privada de estudios económicos ha tomado en cuenta contratos firmados hasta enero del año pasado, pero que en algunos casos están siendo revisados por las dificultades de los importadores venezolanos para responder a sus compromisos.
Según los especialistas de la Fundación Getulio Vargas, esos problemas han sido la principal causa de la aguda caída que se ha registrado en el comercio entre los dos países en los últimos años.
Venezuela llegó a ser el quinto destino de las exportaciones de Brasil en 2009, pero actualmente ha caído al puesto 38, de acuerdo a datos oficiales.
El flujo comercial bilateral, que alcanzó picos cercanos a los 6.000 millones de dólares en 2012, cerró en 2016 en 1,6 millones de dólares, como consecuencia de la reducción de las exportaciones brasileñas.
Oliver Stuenkel, coordinador del equipo de la Fundación Getulio Vargas que elaboró el informe, explicó que frente a los problemas que las empresas venezolanas tienen para obtener dólares las deudas se han acumulado y muchas compañías brasileñas simplemente dejaron de exportar hacia ese país.
“Las empresas brasileñas entendieron que debían aplicar aquella máxima del comercio que dice que es mejor no exportar que exportar y no cobrar”,  Humberto Barbato, presidente ejecutivo de la Asociación Brasileña de la Industria Eléctrica y Electrónica, un sector que ha reducido a mínimos sus operaciones con Venezuela.
Por el mismo motivo, también han caído en forma sustancial las exportaciones de alimentos, que en Venezuela escasean desde hace más de un año en el marco de la severa crisis económica que afecta a ese país.
Según datos oficiales, las exportaciones de carnes bovinas de Brasil hacia Venezuela cayeron un 75,5 % en 2016, al tiempo que se reducían un 58 % las de pollos y un 14 % las cerdo.
El presidente de la Asociación de Comercio Exterior de Brasil, José Augusto de Castro,  que, en ese contexto, 
las empresas que aún continúan operando con el mercado venezolano lo hacen con garantías bancarias de terceros países, que encarecen el comercio, o mediante pagos adelantados y en efectivo.

SEIS PERSONAS MURIERON AL CAER AVIONETA EN ISLA DE PUERTO LA CRUZ <<>> PDVSA TERMINAL



Date:
28-JAN-2017
Time:17:00
Type:Silhouette image of generic BE58 model; specific model in this crash may look slightly different
Beechcraft 58 Baron
Owner/operator:private
Registration:YV-1513
C/n / msn:TH-1028
Fatalities:Fatalities: 6 / Occupants: 6
Other fatalities:0
Airplane damage:Written off (damaged beyond repair)
Location:off Puerto la Cruz -    Venezuela
Phase:En route
Nature:Private
Departure airport:Barcelona-José Antonio Anzoátegui Airport (BLA/SVBC)
Destination airport:Porlamar-del Caribe Santiago Mariño International Airport (PMV/SVMG)
Narrative:
The plane crashed under unknown circumstances. It crashed into the sea near the Pdvsa terminal, Guaraguao. All six occupants died in the crash. 

All occupants were identified.




Seis personas muertas fue el saldo que dejó un accidente aéreo ocurrido la tarde de este sábado entre las islas Guaraguao y Puinare de Puerto La Cruz, zona norte del estado Anzoátegui.

Las víctimas son: Juan Manuel Rozo Carreño (piloto), Gabriel Eduardo González, Rafael Antonio Enez Alfonzo, Enmiguel José Mata Hernández, Alberto José Mónaco y Luis Alberto Patiño.
La avioneta con siglas YV1513 BE-58, POB 6, de la ruta SVBC a SVMG (Barcelona-Margarita), que era tripulado solo por dos personas.
El alcalde de Guanta, Jhonnathan Marin, informó sobre el accidente “Quiero confirmar un hecho lamentable, un accidente aéreo sucedido cerca de las costas Isla Guaraguao y Puinare adyacentes al municipo Guanta con el fallecimiento de 6 personas, la aeronave pertenecientes a las siglas YV1513 modelo BE-58 con ruta SVBC a SVMG salida desde el aeropuerto José Antonio Anzoátegui con destino a la isla de Margarita”.

EXCLUSIVO : GAZETA CENTRAL ( BLOG) INVESTIGOU : AGORA SE CONFIRMA " VENEZUELA ES EL PAÍS LATINOAMEREICANO QUE RECIBIÓ MÁS DINERO DE BNDS ENVUELTO EN CORRUPCÍÓN <<>> VALOR US$ 3.231 MILHÕES EM CRÉDITOS <<>> 22% DE UM TOTAL DE US$ 140 BILHÕES DE DÓLARES <<>> NA ÉPOCA DO LULA E DILMA <<>> DINHEIRO QUE CORROMPEU A JUSTIÇA VENEZUELANA CHAVISTAS A QUAL MANTÉM LEOPOLDO LOPES E OS ESTUDANTES NA PRISÃO


Venezuela es el país latinoamericano que recibió más dinero de banco de Brasil envuelto en corrupción




RENATO SANTOS  29/01/2017    Com trabalhos em conjunto de investigação, o BLOG GAZETA CENTRAL e @boonbar  , complica a situação de todos os envolvidos na OPERAÇÃO LAVA JATO, E RUNRUNES .


O nome do LULA e de DILMA, as visitas de NICOLAS MADURO no Brasil, as viagens secretas de LULA, há bilhões de dólares no BANCO CENTRAL VENEZUELANO, e outros na SUIÇA que o governo CHAVISTAS E MADURENCES , levaram. 

 Além de manter a ditadura  de NICOLAS MADURO na VENEZUELA, as empresas também mantém presos LEOPOLDO LOPES e todos os opositores inocentes, incluindo os ESTUDANTES VENEZUELANOS.

 Deste  as investigações que o nosso colaborador andou fazendo IRBING VALESCO em 2014, quando desconfiou que as empresas brasileiras davam apoio numa eleição que nunca  deu vitória a um ditador venezuelano, por de baixo dos " panos", pois a eleições foram  fraudulentas .



 AS CONSTRUTORAS 




Construtoras brasileiras na Venezuela recebeu US $ 3.231 milhões em créditos e Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) do Brasil, Económico e representando 22% de um total de $ 14000000000

Odebrecht, Andrade Gutierrez e Camargo Correa empréstimos recebidos 8 6 projetos de infraestrutura na Venezuela que estão atrasados ​​ou paralisados. Eles têm entre 20% e 95% de execução

Venezuela é o mais afetado pela suspensão de 5 obras após a operação Lava Jato investigando por dois anos a maior parcela de corrupção na história do Brasil país. A Venezuela foi o primeiro país da América Latina e o segundo no mundo a receber maior orçamento para correr e megaprojetos pelo Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) do Brasil. 

Esta agência estatal aprovou 17 créditos com mais de 14 anos para 9 empresas brasileiras contratadas pelos governos de Hugo Chávez e Nicolas Maduro, 3 dos quais estão ligados à operação "Lava Jato", considerada a maior investigação de corrupção contra os empregadores e políticos latino-americanos.

Empresas de construção Norberto Odebrecht, Andrade Gutierrez e Camargo Correa recebeu US $ 3,231,648,212 BNDES distribuídos em 8 créditos para o desenvolvimento das 6 grandes projetos de infraestrutura na Venezuela. 

Desse total, apenas um, linha 3 do Metro de Caracas, foi entregue. Os restantes 5 têm entre 20% e 95% de execução de acordo com o Registo Nacional de Empreiteiros (RNC).

As obras na Venezuela que obtiveram empréstimos do BNDES foram a construção da Linha 5 do Metrô de Caracas e Metro Linha 2 de Los Teques (pela Odebrecht); projeto de saneamento e desenvolvimento da Bacia do Rio Tuy (Camargo Correa): Estaleiro Aço Nacional em Bolívar e Sucre estado Alba (Andrade Gutierrez).

A Venezuela foi privilegiada na distribuição de US $ 14 bilhões em empréstimos fornecidos pelo BNDES durante os governos de Lula da Silva (2003-2011) e Dilma Rousseff (2011-2016), como parte da política de internacionalização econômica adotada pelo Brasil em 2007 por meio de BNDES e as excelentes relações bilaterais. 

É o segundo país, depois de Angola ($ 3.990) para o qual a entidade estatal do Brasil aprovou o aumento do financiamento (24% do total) em um grupo de 22 países (14 na América Latina, 2 na América do Norte, 3 de África e um da Europa ).

Este montante está longe dos US $ 20 bilhões, de acordo com um 2014 jornal Valor Econômico São Paulo, contratos alcançar as 4 empresas em Venezuela: Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Odebrecht e Queiroz Galvão. 

A figura não pôde ser confirmada pelo venezuelano Câmara Brasileira em Caracas, de acordo com a Transparência Venezuela.

Apesar de ser o segundo país beneficiou de empréstimos do BNDES, Venezuela mantém escândalo silêncio contra o processo de Lava Jato. 

Enquanto no Brasil foram presos ex-presidente do BNDES e gestores das três empresas de construção implicou a execução de obras em Caracas, Miranda, Sucre e Bolívar, a estatal venezuelana ainda não respondeu ao pedido de informação formulado Transparencia Venezuela março 2016 em 32 obras atribuídas a Odebrecht (32), Camargo Correa (4), Andrade Gutierrez (2) e Queiroz Galvão (1).

Nem as autoridades locais decidiu práticas cartelização destes construção que entrou em propostas para declarar a Petrobras para ganhar obras públicas e pagamento de comissões e beneficiar o Partido dos Trabalhadores (PT), que pertencem Da Silva e Rousseff, como evidenciado pela promotores brasileiros.

A opacidade tem caracterizado as relações financeiras do BNDES, no âmbito do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil. 

No entanto, uma investigação pelo site peruana Public Eye revelou que as quantidades de 42% dos 1.381 empréstimos a empresas brasileiras para o desenvolvimento de projetos e investimentos em 22 países, incluindo Venezuela. Na proporção de figuras cálculos oficiais deste relatório se baseiam.

Um pedido de informação por parte do BNDES no Brasil, Public Eye só poderia acessar os detalhes de 583 das 1.381 empréstimos concedidos pelo banco publicada entre 2002 e 2016, ou seja, 42%. Os restantes 798 (58%) permanecem em segredo: O BNDES afirmou ser empresas privadas "não estão autorizados a ser revelado."

trabalho interrompido

Venezuela é a mais afectada pela medida de suspensão de infra-estrutura para a trama de corrupção investigando por dois anos a operação Lava Jato no Brasil, de acordo com um relatório divulgado pelo Grupo Diarios América (GDA), em 11 de dezembro de 2017 país . 

Sequência de queixas contras as empresas envolvidas em irregularidades, paralisado financiamento do BNDES 3.600 milhões para 16 obras na América Latina.

No caso da Venezuela, eles terão de renegociar cinco projectos, incluindo a expansão do Metro de Caracas, cujas obras recebeu 1.280 milhões do BNDES, eo destino estaleiro Astialba para fazer navios-tanque de petróleo Estado são Venezuela (PDVSA) através da sua filial PDVSA Naval.

outras empresas

Em obras na Venezuela, a informação apenas 8 dos 17 créditos concedidos pelo BNDES para algumas empresas privadas (3 deles Odebrecht) é conhecido.

9 créditos cujos valores são desconhecidos foram concedidos a Marco Polo Trading, a maior fábrica de montagem de ônibus no Brasil; Alstom Hydro Energy Brasil; Cotia Trading; Metso Brasil Indústria e Comércio; Sistemas PDL; e Embraer, conhecido fabrica aeronaves que corresponde ao plano presidencial que comprou o governo venezuelano em 2007. 

E ratificado e que a Venezuela tem sido expansão do campo de grandes empresas brasileiras durante Lula Dilma era.

Caso especial: Odebrecht


Constructora Odebrecht recebeu, que foi o principal beneficiário do BNDES na Venezuela. Ele recebeu 8 bilhões em empréstimos do banco, agora é acusado de liderar o cartel de empresas que conseguiram contratos em cumplicidade com a Petrobras.

Em 2007, ele ganhou as cinco grandes obras: Metro Linha 5, Linha II de Los Teques, linha de Guarenas-Guatire, complementatios de trabalho para o Metro Cabo San Agustin e Tocoma hidrelétrica

Entre os 5 projetos na Venezuela, dois estão sob investigação pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para "possíveis irregularidades no financiamento": linha 2 do Los Teques e Caracas 5. Segundo documentos do TCU reservados, verificou-se que a construção e o governo venezuelano recebeu mais dinheiro do projeto $ 747.000.000 inicialmente previsto.

Segundo documentos do TCU reservados vazou para a mídia brasileira, a construção e o governo venezuelano recebeu mais dinheiro do que o inicialmente previsto do projeto, 747 milhões de dólares, sem também apresentar as garantias exigidas pelas normas do BNDES.

Como parte das investigações, em meados de julho, as autoridades judiciais brasileiras pediu ao Ministério das Relações Exteriores Itamaraty uma "cópia integral" de todos os documentos com referências a construção Venezuela e Odebrecht entre 2005 e 2015.

Mas Odebrecht tem mostrado gestos de querer cooperar com a investigação a ser conduzida pela Assembleia Nacional sobre supostas irregularidades no sector da electricidade. Em 7 de agosto, 2016, apropriou 6 caixas de documentos à Comissão de Administração e Serviços do parlamento.

 Empresas na mira

Runrunes tentou obter uma explicação sobre as empresas envolvidas e teve financiamento através Bandes para a execução de obras na Venezuela.

Camargo não respondeu ao pedido de informações enviadas para e indicando o Registro Nacional de Empreiteiros (RNC), em Caracas. Ninguém atendeu o telefone listado no registro da empresa.

Tendo em conta os dados do RNC, a empresa Andrade Gutierrez respondeu ao pedido de esclarecimento entrevista que não foram autorizados a reunir-se em Caracas e que perguntas devem ser encaminhadas para a sede no Brasil.

Constructora Odebecht contato na Venezuela, a fim de saber detalhes sobre a renegociação de empréstimos do BNDES na sequência da investigação de corrupção foi alcançado, mas a resposta ao fechamento desta edição esperado.


A NOVA ORDEM MUNDIAL E SEU PROPÓSITO <<>> SEGUEM A MESMA CARTILHA DOS NAZISTAS <<>> FOME E DEMÊNCIA MENTAL <<>> VENEZUELA<<>> SÍRIA <<>> BRASIL





RENATO SANTOS 29/01/2017  Será que alguém acordou pelo que esta acontecendo na VENEZUELA SYRIA E BREVE NO BRASIL? Se não acordaram é bem melhor começar antes que seja tarde demais, a estratégia que a NOVA ORDEM MUNDIAL esta usando é a mesma que foi usada no tempo dos NAZISTAS, " A  FOME ".

Voces estão protestando do lado errado, e com certeza está tudo errado mesmo, tem quer ser contra a NOVA ORDEM MUNDIAL, é ela que fatia as coisas, até a LAVA JATO .



Voce acha que é teoria da Conspiração em verdade vos verdade, reafirmo não! São fatos é só vc prestar atenção !

VENEZUELA   :  CHAVISMO E MADURISMO

SÍRIA : ESTADO ISLAMICO

BRASIL : FORO DE SÃO PAULO   ; PT, PSDB,PMDB,PC DOB, REDE, e as suas facções criminosas PCC, ENTRE OUTRAS.

E AINDA VC TEM DÚVIDAS ?

Seguem a mesma cartilha, qual seus objetivos ter domínio pelo medo, essa é uma das experiencia que deu certo na segunda guerra mundial, fazer com o que as pessoas sofram de deficiência mental.

Só para não esquecer :

fonte BBC 28/01/2017

A morte de Anna Lehnkering, aos 24 anos, em 1940, não teve muito destaque, nem mesmo décadas depois.
Apesar de o certificado de óbito registrar que ela teria sido vítima de peritonite, um tipo de inflamação no peritônio, Anna - que sonhava em ser enfermeira - morreu intoxicada com gás.
Ela foi uma das milhares de pessoas mortas pelos nazistas durante o projeto "Aktion T4", que tinha como alvo doentes e pessoas com deficiências físicas e mentais - considerados como indignos pelos nazistas.
Entre janeiro de 1940 e agosto de 1941, cerca de 70 mil foram mortos em seis lugares diferentes do território controlado pela Alemanha.
Tratava-se, na verdade, de uma espécie de teste para o Holocausto.
"Era uma espécie de assassinato em massa que continuaria nos campos de extermínio nazistas", disse o parlamentar Norbert Lammert durante uma cerimônia que marcou o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, na última sexta-feira.
Já são 75 anos desde a Conferência de Wannsee, que discutiu a implementação da chamada solução final para a questão judaica, mas neste ano a cerimônia prestou uma homenagem especial àqueles que já vinham sendo assassinados em câmaras de gás antes da decisão.

Mortos de fome

Na época da Conferência de Wannsee, os nazistas já não estavam mais asfixiando os doentes e as pessoas com deficiência. Mas o clamor público que forçou o fim dessa prática em 1941 não foi suficiente para impedir milhões de mortes nos quatro anos seguintes.
Muitas pessoas com doenças mentais e problemas de saúde eram deixadas para morrer de fome, por abandono ou por overdoses deliberadas, enquanto seus gritos por ajuda eram ignorados.
Três anos depois da morte de Anna Lehnkering, Ernst Putzki escreveu para sua mãe descrevendo as condições desumanas na instituição onde ele estava sendo mantido em Weilmuenster, no oeste da Alemanha.
"A morte por fome nos persegue, e ninguém sabe quem será o próximo", escreveu.
"Antes, as pessoas aqui eram mortas mais rapidamente, e os corpos eram levados para serem queimados durante a madrugada. Mas eles enfrentavam resistência dos moradores locais."
"Então, agora, simplesmente nos deixam morrer de fome."
A carta, que nunca chegou à mãe de Putzki, foi lida em voz alta pelo ator Sebastian Urbanski, que tem síndrome de Down, durante a cerimônia na sexta-feira.
Ernst ainda sobreviveu por dois anos e morreu em janeiro de 1945 de pneumonia, segundo a certidão de óbito.
Pessoas como Lehnkering e Putzki são frequentemente consideradas como vítimas esquecidas do nazismo, que matou mais de seis milhões de pessoas - a maior parte judeus, mas também prisioneiros políticos e outros - nos campos de concentração.
A sobrinha de Lehnkering, Sigrid Falkenstein, não fazia ideia que sua tia estava entre as 300 mil pessoas doentes e com deficiência que foram mortas pelos nazistas até que o nome dela apareceu na lista, em 2003.
"Na família, nunca falamos sobre minha tia", disse ela à agência de notícias Deutsche Welle.
"Agora eu sei que muitas famílias estiveram e ainda estão presas em um ciclo vicioso de repressão, silêncio e tabu. Por muito tempo, as vítimas, os familiares e os sobreviventes foram estigmatizados tanto na Alemanha Oriental como na Ocidental."
Sigrid estava determinada a não deixar sua tia ser esquecida e cuidadosamente descobriu a história da vida dela para garantir que ninguém esqueceria quem era Anna, e por que ela morreu.
Na sexta-feira, todas as vítimas tiveram seus nomes mencionados.
Segundo Lammert, é apenas através dessas histórias que "é possível realmente compreender o mal que foi feito a estas pessoas inocentes" - e as contando "restabelecemos a dignidade dessas vítimas".

Anuncio

Seguidores

CAMPANHA PRA VENEZUELA

CAMPANHA  PRA  VENEZUELA
PRECISA DE AJUDA HUMANITÁRIA

As principais matérias do blog