O que Esta Por Traz da Crise Da Fome na VENEZUELA <<>> Por que O Governo Brasileiro Não Teve Interesse Na Empresa Startup Israelense<<>> Saibam Quem São Os Comandantes há um lista de nomes os Assassinos de Oscar Pérez Na Venezuela <<>> Todos Estão No alto Comando São Cubanos <<>> Preços Muito Baixo nos Itens Básicos é Um Risco Para Escravizar a População Brasileira Que Logo Vai Sentir no Estômago o que os venezuelanos estão sentindo <<>> Agronegócio e a Feira PRODEXPO EM MOSCOU Só tem Uma empresa Que Fecha Contrato Bilionários <<>> A qual Controla toda produção Interna de Matérias Primas na VENEZUELA A VENUS-RUS E o atual Governo Pretende fechar acordo com ela e deixou de lado com Israel






RENATO  SANTOS  2101/2018    O  que  esta  por   traz  da  crise  de alimentação  na VENEZUELA,  o  governo  de  Nicolas Maduro  fez  acordo  por  debaixo  dos  panos  com o  governo  Russo.  

Esses   são  seus  produtos  :  Harina De Trigo tipo "Premium", "Primero Classe", "Secundo Classe", Harina de Maiz, Harina de Arroz, Harina de Centeno, Mejoradores de Harina. Por sacos de 50 kilo y envasada por 1 kg, 2kg, 5kg.

Azucar Azucar de cana, Azucar de remolacha dulce.
Arroz Arroz redondo, Arroz vaporizado, Arroz typo risotto
Mijo 
Pasta Pasta de durum classe A, classe B, classe C. por sacos de 20kg y envasada por 450gr, 1 kg, 5kg.
Leche Leche en polvo, Leche condensado con o sin azucar.
Pollos beneficiados, Pescado salmon typo Nerka
Aceite De Soya, De Girasol.
Mantequilla De leche, Margarina, Spred

A  sua  capacidade  :La calidad del producto, reducción de coste, investigación permanente, tecnología y producción en etapas, son los principales objetivos de nuestra empresa y de nuestros socios en Rusia y en el extranjero. Utilizando lo último en equipos de Alemania, Italia, Francia, así como sus propias normas de sistemas de control de calidad, es como la empresa Vene-Rus C.A., ha alcanzado una posición de liderazgo en el mercado de productos agrícolas, alimentos y bienes de consumo, lo que ha hecho posible reducir significativamente el costo de los productos suministrados al consumidor final. 

Entregas  :   Empresas Inversiones VENE-RUS C.A e Inversiones VENE-RUS Alimentos C.A, gracias a las asociaciones con empresas como: Maersk, CHINA shipping, EVERGREEN, con su flota de vehículos y transporte hacen entrega de la mercancía utilizando todo tipo de contenedores de 20 y 40 pies de largo, tales como los refrigerados ( high cube ), que permiten el transporte de ganado y productos de aves de corral de acuerdo con la temperatura requerida en todos los puertos de la Federación Rusa, asì como los puerto de El Guamache, La Guaira, Puerto Cabello, en la República Bolivariana de Venezuela, de donde se puede exportar: café, granos de cacao, manteca de cacao con el uso de contenedores ventilados especiales. Empresas Inversiones VENE - RUS C.A e Inversiones VENE - RUS Alimentos C.A a través de las diligencias pertinentes y cumpliendo con los requisitos establecidos por las autoridades aduaneras de ambos países, y corredores de asociaciones en el campo de la exportación e importación, logran llevar a cabo el despacho de aduanas más rápido de su mercancía, ademàs los contratos con las compañías de seguros internacionales portuarias, nos permiten proporcionar a nuestros clientes un entorno empresarial cómodo y seguro. 





A  qual  por  sua  vez  quebrou a  única empresa  alimentar  as  Industrias  Polar, em  2014,  controlando  toda  Industrialização  e  Distribuição  interna  no  País. 

Abrindo  com  a  VENE-RUS  ,  a  única  possibilidade  alimentar,  como  se  trata  de empresa  internacional,  criou-se  então  três  subsidiária de  fachada  em  dois  estados:

Industria  Alimentícia  Hermo  Venezuelana   na  Cidade de  Cabimas, no  Estado  de  Barquisemeto  e  outra  na Cidade  de Guatire  a Industria  de alimentos  Gomby  e mais uma Mogaci  CA  em  Los  Teques  ambas  no  Estado de  Valencia. 

Mas antes  de  aplicar  o  total  controle  nas  industrias  alimentícias  Maduro fechou  um contrato de  25 anos  com a  Empresa  VENE-RUS, que  é  a  maior  controladora  de alimentos,  agricola , bovinos  leiteiros, e  toda  a  cadeia  alimentar  da  Rússia  e  dos  País  que  estão  sob  o  seu  domínio.

Vamos  ao  controle  de  alimento  na  VENEZUELA  

Em  julho de  2015,  com  ajuda  do  governo  petistas,  foram  retirados  todos  os  alimentos  para  CUBA,  desviados  pelo Brasil,  para  não  levantar  suspeitas  nas  Organizações  Internacionais, a  qual  saíram na  calada  da noite  em  aviões  de  cargas  da  Força  Aérea  Venezuelana  que  nessa  altura  já  se  encontrava no  controle  dos  Generais  Cubanos. 

A  qual  a  GAZETA  CENTRAL  (  BLOG)  ja  alertava  deste  2014, agora  viemos  publicar  os  nomes  dos  generais  e  sub  oficiais  no  comando  da  força  aérea  da  VENEZUELA .

Como se poderá ver, o CEO está estrategicamente situado em distintos pontos do território venezuelano. Para conhecer sua localização, convém ler o informe com um mapa da Venezuela à vista.



Quer dizer, o poder na Venezuela, por mais que Maduro finja ser o manda-chuva, está nas mãos do castrismo comunista e se exerce desde Cuba. Vale dizer que esse exército de ocupação não sente o menor carinho pelo país que domina, carece de patriotismo venezuelano e de solidariedade com os habitantes do país irmão, de maneira que não tem nenhum inconveniente em derramar todo sangue venezuelano que lhes pareça necessário.

Este é o futuro que nos espera também aos argentinos. Na Bolívia há uma situação semelhante, só que dessa só tenho vagas notícias. É possível que seja assim, posto que há poucos meses Morales teve que enfrentar uma rebelião geral dos bolivianos e, dada a proximidade com nosso país e o interesse indubitável que o comunismo tem em não permitir que a poderosa influência que conseguiu na política aqui, se perca. Chegado o caso, e em vista da destruição sistemática de nossas FFAA realizada pelo kirchnerismo nestes onze anos que estão no poder, uma invasão de forças cubanas especiais desde a Bolívia não pode ser descartada. Em Jujuy estão as forças irregulares de Milagro Sala para facilitar-lhes a passagem.

Como vemos, na Venezuela se joga a sorte de toda a Ibero-América. Como dizem os valentes manifestantes desse país, a coisa é “Agora ou nunca!”, porque cada dia que passa será mais difícil deter este sinistro plano do comunismo para dominar nosso continente.

É preciso rezar pelos heróicos venezuelanos, pedir à Padroeira da Venezuela, Nossa Senhora de Coromoto, que ajude a seus filhos. E todos os argentinos devemos nos interessar vivamente pelo drama que estão vivendo e apoiá-los por todos os nossos meios para que consigam se livrar do jugo maldito com o qual tentam dominá-los.

*****

Lista dos generais, chefes de operações e comando de tropas cubanas na Venezuela:

ANDOLLO VALDEZ, o general cubano que deve esmagar rebeliões… na Venezuela. Desde 27.12.12, “Operação Bastião”: para isso conta com 4.500 soldados cubanos que chegaram em janeiro de 2012. Leonardo Andollo Valdez – Cubavisión.

JORGE ROJAS RIERA (@Jrr473), estrutura organizacional e de comando do Exército de Ocupação Cubano (ECO) na Venezuela.

Contingente: 

Oficiais: 

2 Generais-de-Brigada, (1 no Fuerte Tiuna, outro em Barquisimeto), 4 Coronéis, 8 Tenentes-Coronéis e 6 Capitães-de-Fragata e 25 oficiais subalternos.

Com a Sala Situacional independente instalada no Fuerte Tiuna (Serviço de Remonta) e conectada em WF encriptado por cabo com o Centro de Operações de Comando de Valle Picadura em Havana, sob o comando, desde Havana, do General-de-Divisão Leonardo Andollo Valdez. (Atualmente na Venezuela desde março). Viaja à Venezuela a cada 15 dias para realizar reuniões de Estado-Maior para afinamento de operações. Estas tropas entram na Venezuela e saem para Cuba para suas substituições constantemente, por uma pista de aterrissagem situada em Apure, e pela Rampa (Base aérea) 2 do aeroporto de Maracaibo.

Número dos contingentes: 4.500 homens de Infantaria organizados em 8 batalhões de 500 efetivos, mais um batalhão estacionado em Fuerte Tiuna. Chegados à Venezuela a partir de janeiro de 2012. Estes novos contingentes substituíram os anteriores que começaram a chegar em janeiro e agosto de 2011.

Generais na Chefatura do Estado-Maior:

Chefe: General-de-Divisão Leonardo Andollo Valdez, 60 anos, quando tenente esteve em Angola, segundo chefe do Estado-Maior das FARC em Cuba, coordenador do “Movimento Bolivariano” e Vice-diretor do Partido Comunista de Cuba. Dirige na Venezuela a “Operação Bastião”, que é o nome do Plano que os batalhões cubanos estacionados na Venezuela realizariam em caso de uma “emergência” ante mudanças políticas em 7 de outubro.

Chefe de Operações do Estado-Maior: 

General-de-Brigada Herminio Hernández Rodríguez, comissário político, assessor da Sala Situacional de Miraflores. Expert em operações urbanas, em manejo de situações em crise. Assessor do CEO e com sede na JEM (Chefatura do Estado-Maior, por suas siglas em espanhol) da II Divisão no Fuerte Tiuna. Maneja a Ordem de Operações para enfrentar (inclusive emprego das Milícias) situações de desordem civil em 11 cidades do país, sufocar o 7 de outubro e posterior ao 7-O, ou em qualquer situação que se desencadeie.

ALEJANDRO RONDA MARRERO “O GENERAL DOS ESPINHOS DUROS”

Chefe do G2 do EMO (Estado-Maior Operacional):

General-de-Brigada Alejandro Ronda Marrero

Este general (reporta diretamente o que lhe interessa ao Major-General Hugo Carvajal, atualmente a máxima autoridade da Inteligência nacional, com o cargo de Super Vice-Ministro para a investigação penal). Ronda é subalterno do Comandante Ramiro Valdez Menéndez em Cuba que, por sua vez, o segundo chefe da Inteligência Cubana das FARC.

Ronda Marrero, sob a chefatura do Major-General Hugo Carvajal Barrios, que se reporta diretamente ao Presidente da República, coordena, assessora e dirige desde a DIM (Divisão de Inteligência Militar)-Boleíta na Divisão Telemática, em coordenação com o SEBIN-DIE, todas as operações de inteligência e contra-inteligência militar e civil (Comando de campanha de Capriles e partidos políticos, e de militares em serviço ativo com comando de tropas, de oficiais superiores). Dirige pessoal de oficiais cubanos, iranianos e chineses. Opera desde a JEM da II divisão do Exército do Fuerte Tiuna. Tem ingerência nas Sala Situacional de Miraflores e do Exército.

OFICIAIS ESTACIONADOS NA VENEZUELA EXERCENDO O COMANDO DE TROPAS CUBANAS, que dependem diretamente do General-de-Divisão Julio Cesar Gandarilla, atual Chefe da CIM-Militar em Cuba (contra-inteligência cubana):

1. Ramiro Méndez Olayeta, 59 anos (Moscou) Infantaria do Exército (IE)

2. Eusebio Serrat Lennis (Moscou) Missilístico, IE

Coronéis: 

1. Rodrigo Hernández Maite

2. Rufino Zabeleta Corvino

3. Jaime Freitas Sambrano

4. Simón Guillermo Sénior

Tenentes-Coronéis:

1. Luis José Fernández Fernández

2. Armando García Rotondaro

3. Hermagoras Ruiz

4. Braulio Menéndez

5. Luis Carlos Castro Guiño

6. Federico Trompis

Capitão-de-Fragata: 

1. Federico Corsi Contra-Almirante de Infantaria da Marinha

2. Norberto Arango 

3. Luis Gerardo Vera Gonzáles

4. José Dionisio Bilbao Menéndez

25 Oficiais Subalternos de Infantaria e Inteligência

São oficiais experts em inteligência, contra-inteligência, sabotagem, contra-sabotagem, que são dirigidos pelo almirante Julio Cesar Gandarilla que se reportam a ele diretamente via cabo, mediante sistema encriptado. Gandarilla é o máximo Chefe da Contra-Inteligência Militar Cubana em Valle Picadura. Fazem inteligência e contra-inteligência dentro das regiões militares (Brigadas e Divisões, Batalhões e o Exército Venezuelano em geral). 

Portam identidade especial da DCIM (Divisão de Contra-Inteligência Militar, subscritas pelo general diretor da DCIM, F. Figueroa Chacín) venezuelana e armamento autorizado com porte de arma especial emitido pelo DARFA. Portam pistolas Carella 9 mm e mini USIS, assim como movem-se em motos de fabricação italiana, cor negra, inscritas na DIM.

Esses agentes móveis especiais cubanos têm 12 pontos de concentração em Caracas, sempre localizados em estações de saída e entrada do Metrô. Dois importantes no Leste: no metrô Los Dos Caminos e Unicentro El Marqués, dois no Oeste: Parque del Oeste e Capitolio e três no sudoeste: a Bandera-Roosevelt, UCV e o Valle. Também contactam e coordenam via TELF. Celulares com os 70 postos de comando localizados nas urbanizações das zonas residenciais altas de Caracas (Plano Guaraira Repano), e com os grupos de operações situados nos quatro Comandos de forças anárquicas enquadradas dentro do Plano Guaraira Repano.

Armas que portam e detém as tropas cubanas: 

AK-A 103 e AK-109 equivalente ao FAB de fabricação belga.

Lança-foguetes Tropv R1Vde 50 mm.

Obuses Kalisnef-120 contra carros.

Morteiros lança-granadas tipo Katiuska M30 Kamarakov.

Ônibus de fabricação chinesa, marca Gel com capacidade para 60 pessoas. Sistema de comunicações independentes entre comandos. Encripta dados via WF.

INTENDÊNCIA: 

Uniformes tipo “patriota” venezuelano, com insígnias e graus militares venezuelanos.

LOCALIZAÇÃO: 

Geo-estrategicamente localizados, (móveis), de maneira tal que podem mover-se e cortar avanço de unidades terrestres do Exército da Venezuela para Caracas:

Agua Viva, Barinas, Morón-Coro, Barquisimeto, Elorza, Puerto Cabello, El Tigre-Pariaguan, La Encrucijada-Maracay.

A base iraniana que está localizada em Zuata, município Monagas do estado Anzoátegui, é operada por pessoal iraniano. Engenheiros aeronáuticos têm em seus silos, já em condições operacionais, mísseis com alcance de 1.480 km do tipo Sheralabs 3, e três com alcance de 2.500 km tipo Alghadv-110.

Nestes momentos instalam-se igualmente em Paranaguá, do mesmo alcance, 6 novos mísseis tipo Alghadv-110 com um alcance de 2.800 km.

Vamos  a  crise  da alimentação  um  dos  braços  forte  do comunismo:
Uma ordem administrativa da Superintendência Nacional de Gestão Agroalimentar da Venezuela busca encher as prateleiras vazias da rede estatal. A medida é parte da estratégia eleitoral devido às eleições parlamentares de dezembro. A criação de toda essa burocracia administrativa responde à ideia de garantir o que o chavismo chama de “soberania agroalimentar” mediante a planificação centralizada da economia. Economistas da oposição afirmam que a medida fará com que os preços dos produtos aumentem.
Impelido pelo descontentamento dos venezuelanos, o governo do presidente Nicolás Maduro está tentando evitar uma derrota que entregue o controle do poder legislativo à oposição em dezembro. A última decisão que busca restaurar a confiança perdida entre o eleitorado que o apoiou vem da Superintendência Nacional de Gestão Agroalimentar (SUNAGRO), que emitiu uma ordem às companhias filiadas à Câmara Venezuelana da Indústria de Alimentos (Cavidea) para que destinem uma porcentagem de sua produção de alimentos básicos aos supermercados do Estado.


Sucessivamente, os carregamentos de leite, arroz, açúcar, massa, farinha de pão, farinha pré-cozida de milho e azeite irão parar nas prateleiras vazias das redes estatais em uma porcentagem que, segundo a ordem administrativa, oscila entre 30% e 100%. A medida implica o reforço dos controles de uma indústria que já é muito supervisionada pelo governo. Há vários anos os alimentos básicos não podem ser distribuídos pelo país sem a autorização do Sistema Integral de Controle Agroalimentar (Sica), que vigia e controla mediante a emissão de uma guia de mobilização de armazenagem e distribuição. Todos os transportadores devem ter esse documento em mãos, o que inclui também a rota que seguem ao seu destino final, um seguro contra as férreas inspeções das autoridades em seu caminho.
Esse modelo já deu mostras de seu esgotamento. O Estado, que conta com poucas divisas em espécie para importar alimentos com a queda dos preços do petróleo, não pode importar os insumos finalizados que destina às redes públicas, e pretende encher as prateleiras com a produção privada.

Mais restrições

O modelo econômico defendido com unhas e dentes pelo presidente Maduro se recusa a entregar à indústria de alimentos os dólares necessários para que paguem a dívida de 1,4 bilhão de dólares (4,57 bilhões de reais) com seus fornecedores, que lhes permitiria produzir à plena capacidade.
É lícito supor que nos próximos dias haverá menor capacidade de alimentos nas redes privadas de supermercados, que são maioria e, portanto, as longas filas nos mercados privados aumentarão. A Cavidea afirma que na rede privada existem 113.859 estabelecimentos comerciais enquanto a rede pública possui 7.245 locais. Agora acontece o contrário: longas filas nos locais geridos pelo Estado e aglomerações menores de clientes nos supermercados privados. Mas em uma entrevista concedida ao jornal local 2001 o ministro da Alimentação, Carlos Osorio, negou que a decisão pretenda favorecer uma rede em detrimento da outra. Em sua opinião, o Governo busca uma “distribuição equilibrada” dos alimentos, de acordo com a capacidade e níveis de consumo das regiões.
Os economistas ligados à oposição afirmaram que com essa decisão os produtos irão encarecer ainda mais. Sem cifras oficiais que confirmem, a Venezuela está imersa em um processo que caminha à hiperinflação pela insistência de Maduro em manter o roteiro traçado por seu antecessor Hugo Chávez em seu programa de governo chamado Plano da Pátria.
Essa medida é também uma tentativa de tentar retirar a desvantagem que o Governo tem nas pesquisas. Em dezembro serão eleitos 165 novos deputados e tudo leva a crer que, se os números atuais se mantiverem, pela primeira vez em 16 anos o regime perderá o controle de um dos poderes públicos.


A GUERRA ECONÔMICA


O economista espanhol Alfredo Serrano é o novo assessor do presidente Nicolás Maduro em assuntos econômicos. Essa nomeação confirma a intenção de Maduro em aprofundar a experiência do socialismo real na Venezuela, e de não contatar os órgãos multilaterais em busca de auxílio financeiro. O jornal El Nacional afirma que Serrano acredita no conceito de “guerra econômica” que explica, de acordo com o chavismo, que a escassez e o desabastecimento são consequência da maneira como a classe empresarial se relaciona com o governo.
Para produzir em épocas de controle de câmbio, o Estado entrega dólares subsidiados aos empresários para que importem matéria prima e produtos que depois oferecerão ao varejo. Para repor essa mercadoria o empresariado calcula seus custos de reposição na cotação do mercado negro. A diferença entre um valor e outro gera lucros rápidos que nenhum outro negócio pode da

Não  existe   uma  guerra  econômica  na  VENEZUELA,  existe  sim  uma  ditadura  com  ajuda  dos  Irmãos  Castristas  e  apoiada  pelo  PT  e a   esquerda  brasileira,  qual  objetivo  enfraquecer  o  povo de  fome  para não  resistir  ou  serem  fortes  ,  desnutridos  viram  escravos  do  sistema  apodrecido  ou  morrem  de  fome,  ou  aceitam  o novo  sistema,  ao invés  de  mata-los  com  armas,  nem  o  uso  de  armas  químicas  o que  é  proibido  pela  convenção  internacional  da  ONU.

Enquanto  as  redes  de supermercados  não  tem  produtos  básicos, as  empresas   a  qual  foram  citados  nessa  reportagem  estão  estocados, vendendo  a  preço  exorbitante  fora  da  realidade  da  população  venezuelana  tanto  faz  ser chavistas  ou  não.

O  Recado  dado  Por  ditadores  A  Todos Militares  Serve  Para  o Brasil  

Com  o  fuzilamento de  Oscar  Pérez   ficou  claro  o  recado  que  o  regime  ditatorial  esta  fazendo  aos militares  venezuelanos que  se oporem a  nova  ordem, serão  fuzilados.

Por  isso  que no  Brasil  não haverá  Intervenção, a  situação  é mais  que  gravíssima,  e  não se  enganem  com  atual  governo  brasileiro  ou  próximo, as  eleições  não  passam  de  "  enganação", nenhum  candidato  vai ser  contra  o que  o Brasil espera do  futuro,  a  globo  já esta  fazendo  uma  campanha  não  com a  finalidade  de apoiar  o seu  candidato  a  Rússia  quer  saber,   ela  recebe  ordens  de lá.

07-10-2014 Os  Preços  Baixos dos  Alimentos  

O  Brasil  não  fica  atras  existe o  mesmo  plano já esta  em  ação, mas, para  não  assustar  a  população  o  governo  segue  a  continuação  da  implantação  do  comunismo,  vejamos  :


Preços baixos  Bom  ou  è  Um  sinal  que  não  vamos  Bem:

Deste  de  2014,  os  preços vem caindo e muito,  isso mostra  um  perigo  tanto  pra  quem  produz  como  pra quem vende, mas, a  população  massa  de  " manobra" acha bom, mas  não  é.

È  sim  uma forma  de  desabastecimento  geral,  pois  de  um  lado  encarecem  para  os agricultores, agronegócio e   passam  para  o  consumidor  final  a  mascara  de que  tudo  vai  bem, mas,  há  ,  um perigo  a  vista  e  grave.


Os preços do conjunto de bens alimentícios considerados essenciais ao trabalhador, a chamada cesta básica, diminuíram em setembro em 11 das 18 cidades pesquisadas realizada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A queda foi puxada principalmente pela baixa nos preços do óleo de soja, tomate, feijão e da batata, segundo dados divulgados nesta terça-feira (7). 
As maiores quedas ocorreram em Recife (-1,99%), São Paulo (-1,39%), Natal (-1,18%), Campo Grande (-1,13%) e Salvador (-1,02%). As altas foram apuradas em Goiânia (1,36%), Aracaju (1,15%), Brasília (1,10%), Porto Alegre (0,62%), Manaus (0,26%) e Florianópolis (0,04%). Em Belo Horizonte, o valor da cesta quase não variou (0,01%). 
Florianópolis foi a cidade onde se apurou o maior valor para a cesta básica (R$ 340,76). A segunda maior cesta foi observada em São Paulo (R$ 333,12), seguida por Vitória (R$ 328,33). Os menores valores médios da cesta foram verificados em Aracaju (R$ 233,18), Salvador (R$ 263,63) e Natal (R$ 267,39). 
Menos horas de trabalho para comprar cesta básica 
Em setembro, para comprar os gêneros alimentícios essenciais, o trabalhador remunerado pelo salário mínimo precisou realizar, na média das 18 capitais pesquisadas, jornada de 89 horas e 52 minutos, tempo ligeiramente inferior às 90 horas e 7 minutos registrado em agosto. Em setembro de 2013, a jornada comprometida era um pouco maior, já que naquele mês foram necessárias 90 horas e 42 minutos. 
Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em setembro, 44,40% dos vencimentos para comprar os mesmos produtos que em agosto demandavam 44,53%. Em setembro de 2013, o comprometimento do salário mínimo líquido com a compra da cesta era maior e equivalia a 44,81%. 
Fonte: Portal Brasil com informações do Dieese

Qual  empresa  Russa  que  esta  de  olho  no  agronegócio  brasileiro, apesar  de  termos  os  Israelenses  também,  vejamos :

O  LADO  DE  ISRAEL  UMA  OPORTUNIDADE  QUE  PRECISA  SER  VISTA  :

A  Startup  Israelenses  : 21/07/2017  portal  terra :  Depois de dedicar nove anos à inteligência militar israelense, o cientista da computação Ofir Schlam resolveu resgatar as suas tradições familiares. A árvore genealógica do empreendedor retoma aos bisavós que deram início a comunidades agrícolas em Israel. "Meus pais cultivaram algodão, trigo e banana por muitos anos, então, toda a minha vida eu sempre tive consciência dos desafios do campo", lembra em entrevista à Computerworld Brasil.
A familiaridade com o tema foi atualizada com o uso de tecnologias emergentes e encontrou sua vocação na startup Taranis, lançada em 2014, e da qual Schlam é CEO. Ao lado dos cofundadores Ayal Karmi (COO) e Eli Bukchin (CTO), Schlam combinou experiências e especialidades em finanças, gerenciamento de produto, meteorologia e desenvolvimento de software para entregar uma plataforma de gestão de análise preditiva.
"Usamos machine learning sobre dados proprietários, que incluem imagens aéreas e de satélites, sensores no campo, previsão do tempo e dados alimentados no aplicativo para prever e prevenir perdas decorrentes de pragas", explica Schlam. Como resultado, a plataforma consegue dar um panorama preciso sobre plantações, algo que permite a redução de custos, aumento da produção e a tomada mais ágil de decisões.
Outro efeito colateral é o incentivo a um tipo de agricultura mais sustentável, tendo em vista que as capacidades analíticas da Taranis permitem minimizar o uso de químicos e pesticidas ao identificar onde e quando são necessários. Atualmente, a plataforma monitora campos para culturas críticas, como soja, milho, trigo, algodão, cana-de-açúcar e batatas.
De olho no Brasil
Para a Taranis, o Brasil é um vasto campo a ser explorado, literalmente. A startup anunciou recentemente planos de expansão e vê no agronegócio brasileiro um dos seus principais mercados. Não à toa, instalou na cidade de São Paulo um escritório, montando equipe de vendedores e de atendimento. Georgia Palermo, executiva que passou pela BASF e Monsanto, assumiu a posição de country manager no Brasil. O país vizinho, a Argentina, e o Paraguai, também estão no alvo da startup israelense.
O agronegócio brasileiro tem vivido relativo momento de generosidade. Segundo o IBGE, o setor teve crescimento de 13,4% no primeiro trimestre, em comparação com o trimestre anterior. O segmento foi o principal responsável pela alta de 1% registrada no Produto Interno Bruto.
Na comparação com o primeiro trimestre de 2016, o PIB da agropecuária mostrou alta de 15,2%. O desempenho do setor foi puxado pela supersafra atual, com destaques para a colheita de soja, milho, arroz e fumo, que pesam 50% no valor da produção.
O setor também tem se beneficiado com aumento na concessão de crédito. Os recursos reservados pelo Banco do Brasil para a concessão de crédito ao agronegócio no Plano Safra 2017/2018 serão 30% maiores do que os aplicados na safra anterior. Com maiores investimentos, a adoção de tecnologia tem sido estimulada e apontada como um dos fatores que impulsionaram os bons resultados da vertical.
Nesse cenário frutífero, por assim dizer, startups têm visto no agronegócio uma nova fonte para experimentação, um aliado para escalar tecnologias e, claro, para rentabilizar negócios. No Brasil, segundo Maikon Schiessl, coordenador do comitê das chamadas agrotechs, da ABStartups, existem 72 startups voltadas para o mercado. A área registrou um crescimento de 70% em 2016 em relação ao ano anterior e a previsão, do comitê, é que esse número triplique até o final de 2017.
Quando se encontrava em estágio inicial, a Taranis recebeu investimento da Acelera Partners, holding de investimentos em startups apoiada pela Microsoft. Em maio deste ano, foi contemplada com um investimento Série A, de U$ 7,5 milhões, em rodada em que participou a Mindset Ventures, também parceira da Microsoft. Com o investimento, a startup israelense colocou o Brasil em sua rota de expansão.
"O Brasil é o nosso mercado mais importante no momento", ressalta o CEO Ofir Schlam. Segundo ele, a startup tropicalizou a solução com feedback de agricultores da Bahia e do Mato Grosso. "Para nós, a combinação de trabalhar com agricultores muito experientes, que são bem financiados, bastante inovadores e, em muitos casos, agricultores jovens que são heavy-users de tecnologia, tornou tudo mais fácil. Combine isso com fazendas muito grandes e você obtém um mercado agrícola líder e queremos ajudá-los a crescer mais", aposta o empreendedor.
Apesar do número de startups focadas no agronegócio terem aumentado e diversificado, Daniel Ibri, CEO da Mindset Ventures, acredita que o setor ainda é carente de soluções tecnológicas. Mas, a tendência é que o cenário mude e agricultores despertem para o uso de novas tecnologias que otimizem a produção.
"Vemos que há um potencial muito grande para a Taranis agregar a esses fazendeiros, cooperativas e assim por diante", ressalta Ibri. "É também uma questão de como esse produtor rural vai aumentar sua produtividade e, consequentemente, melhorar a economia do Brasil, usando uma solução tecnológica de ponta. Acreditamos que isso gera um impacto na cadeia realmente relevante", complementa.
Segundo o CEO da Taranis, a solução é aplicável a qualquer fazenda. Pequenos produtores podem obter a solução através de cooperativas, já propriedades médias e grandes contratam a plataforma de gestão de forma direta. Schlam explica que um dos desafios foi traduzir a complexidade que reside nas novas tecnologias para ferramentas onde qualquer pessoa possa fazer uso.
"Nosso desafio é fazer ferramentas de alta tecnologia úteis para qualquer agricultor e não apenas aos mais experientes em tecnologia. Acreditamos que já estamos lá, pois construímos o sistema de forma que os principais usuários sejam os agricultores e consultores e não engenheiros de computação. Para fazer isso, investimos muito no produto sob o ângulo da experiência do usuário", defende.
Além do Brasil e Argentina, a startup também está presente nos Estados Unidos, Rússia e em seu país de origem, Israel. As metas a curto prazo são ambiciosas e incluem atender um milhão de hectares até o final da próxima estação.

GAZETA  CENTRAL  (  BLOG)  21/01/2018    O  Brasil  Vai  Fechar  o  Agronegócio  com  a  Russia:
Mas  o  nosso  atual  governo  pelo  jeito  não quer  tanto  que  nem  teve  interesse,isso mostra  que  Michel  Temer  vai  fechar  o nosso  agronegócio com a  Russia , motivos  de sobra  existem, por  isso  esta  havendo  preços  muitos  baixo não  é  por  causa  da infração  essa  já  ultrapassou  as  suas  expectativas  e  todos  estão sendo enganados.

Os  anúncios  fechados  com  a  globo  sobre  agronegócio  chama  atenção  para  dominação  comunista no  Brasil.

VEJAMOS  O QUE  O  GOVERNO  PUBLICOU  NA  SUA  PÁGINA  OFICIAL  :

Em  03  de fevereiro  de  2017, em missão na Rússia, o secretário executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Eumar Novacki, discutiu nesta sexta-feira (3), com o vice-ministro russo da Agricultura,  Evgeny Gromyko ampliar a cooperação no setor agrícola. 


O GOVERNO  MENTE QUANTO  AO PREÇO  BAIXOS :
O  que  o  governo  não  publicou  em sua  página  qual  empresa  russa  viria  ao  Brasil,  para  fechar  um  acordo   bilionário  no  agronegócio  brasileiro,a  própria VENE-RUS, ela mesma  que  controla  os  alimentos  na  VENEZUELA, se preparem, vocês  vão sentir no estomago  o que  os venezuelanos  estão sentindo.

A  Gazeta  Central ( blog),  foi  atras  dessas  informações  durante  semanas, pois  algo me chamou  muita atenção  onde estão  as  toneladas  de  alimentos  (  produtos brutos  da  VENEZUELA,  até  descobrir  quem detém  toda  produção  do  País,  graças  ao  acordo  que  representantes  do  governo  venezuelano  também  estiveram  na  PRODEXPO, em MOSCOU   em  2013.  

Uma  feira  de fachada  para  produtos  interno  e descobrimos  que  há  somente  uma  empresa  filiada  ao  partido  comunista  russo  que  ganha  contratos  milionários  com  outros  governo  corruptos sujos  e  autoritários  além de serem  traidores  de suas  Nações,  levam por baixo  1  terço  de comissão do  valor fechado, se vendem, por dinheiro, sabe  qual  empresa, a  VENUS-RUS. 

Um dos fóruns sugeridos para estreitar o contato bilateral e discutir problemas da pauta de comércio foi o Comitê Agrícola Russo-brasileiro, que está sendo restabelecido e que se reunirá ordinariamente, em Brasília, na véspera da reunião deste ano da Comissão Russo-brasileira de Alto Nível de Cooperação.
A proposta é promover encontro separado para os representantes dos círculos de negócios dos dois países. Na conversa desta sexta-feira, houve concordância em aumentar a troca de produtos. Além dos trâmites diplomáticos, ficou acertado que serão feitos contatos de governo a governo diretamente por e-mail, sendo designado um facilitador exclusivo de ambas as partes para dar agilidade às demandas recíprocas e ainda o fechamento de uma parceria científica para pesquisas com a Embrapa.
Do lado brasileiro, há interesse em organizar a importação de trigo russo, uma vez que já foram estabelecidas questões de ordem fitossanitárias. Novacki visitará, em Moscou, a Prodexpo, feira internacional do setor de alimentação, a maior da Rússia e do Leste Europeu.
Uma missão russa virá ao Brasil, no próximo mês, a fim de reabilitar frigoríficos que já exportavam para o país. Ficou ainda definida ampliação de vendas do Brasil de lácteos, frangos e suínos e a facilitação para aquisição de fertilizantes russos. 
A equipe brasileira é integrada pelo secretário de Defesa Agropecuária, Luis Rangel, e por auditores credenciados na OIE (Organização Mundial de Saúde Animal). De acordo com o secretário, há reconhecimento mútuo das qualidades de certificação sanitária e da segurança alimentar dos dois países.
No encontro de duas das maiores agências de defesa agropecuária do mundo, grãos e carnes foram temas principais. E foram abordados temas de equivalência de sistemas sanitários entre os dois países. A reunião terminou com boas expectativas de ambos os lados para um aumento do mercado agropecuário.

Porque  a  Russia  que  Tanto  o  Agronegócio  Brasileiro  :

O Agronegócio no Brasil

A agropecuária brasileira é um bem gigantesco, um campo cheio de oportunidades de investimento e desenvolvimento.
O Agronegócio no Brasil tem uma expressiva participação na economia do país e representa aproximadamente 22,15% do PIB em 2012. Atualmente o país ocupa notável posição mundial na produção agroindustrial.

Características e Diversidades

O Brasil é um país com vocação natural para o agronegócio devido às suas características e diversidades, principalmente encontradas no clima favorável, no solo, na água, no relevo e na luminosidade. 
Com seus 8,5 milhões de km o Brasil é o país mais extenso da América do Sul e o quinto do mundo com potencial de expansão de sua capacidade agrícola sem necessidade de agredir o meio ambiente.

  • O Agronegócio é atividade de capital intensivo.
  • Exige máquinas e equipamentos;
  • Insumos caros e sofisticados;
  • Crescente emprego de tecnologia (agricultura precisão);
Condições favoráveis para o Agronegócio no Brasil
  • Disponibilidade de terras agricultáveis 
    (atualmente apenas 7,3 % da área total é utilizada)
  • Abundância de água
  • Tecnologia de ponta
  • Luminosidade
  • Clima favorável
  • Solo
Desafios a serem vencidos
  • Infraestrutura e logística
  • Legislação tributária complexa
  • Recursos financeiros inadequados
  • Gestão empresarial
  • Mão de obra
  • Concentração em grandes empresas

A Importância do Agronegócio no Brasil:

  • Grande participação no Produto Interno Bruto
  • Cria aproximadamente 37% de todos os empregos do país
  • Responde por aproximadamente 39% das exportações
  • Saldo comercial de aproximadamente 79 bilhões de dólares em 2012
  • Aproximadamente 30% das terras brasileiras são utilizadas para agropecuária
  • Aproximadamente 61% do território ainda é coberto por matas originais
Nos últimos 20 anos, a área plantada com grãos cresceu 37% e produção, mais de 176%.

Balança Comercial Brasileira

(US$ bilhões – FOB)
PeríodoExportaçõesImportaçõesSaldo GeralSaldo Agronegócio
200055,11955,851-0,73214,811
200158,28755,6022,68519,016
200260,43947,24313,19620,347
200373,20348,32624,87825,848
200496,67762,83633,84234,134
2005118,52973,60044,92938,416
2006137,80791,35146,45742,727
2007160,649120,61740,03249,696
2008197,942172,98524,95857,714
2009152,995127,72225,27254,800
2010201,915181,76820,14763,000
2011256,040226,24329,79677,510
2012242,580223,14219,43879,408
2013242,178239,6172,56182,907

Gazeta Central Google

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Espaço Publicitário

Seguidores

CAMPANHA PRA VENEZUELA

CAMPANHA  PRA  VENEZUELA
PRECISA DE AJUDA HUMANITÁRIA

As principais matérias do blog