GAZETA CENTRAL INSTAGRAM

Dia 24 de Janeiro Uma Data que Vai Colocar o Brasil em Seus Trilhos Certos <<>> Muitos Querem Ver Lula Na Cadeia <<>> Mas ainda Tem Uma Pedra No Caminho Os Recusor na Segunda Instância Depois da Decisão Caso Não Haja, Lula Ficará Condenado








RENATO SANTOS   01/01/2018  Muitos   Brasileiros  querem  ver  LULA  na  cadeia, tem  até  campanha  nas  redes  sociais ,  porém, só  que  não  é  bem  assim  que  funciona , a  Justiça  não  é  igual  pra  todos. 

Lula,  o  seu  maior  erro  não  foi  só  com  envolvimento  com  a  CLEPTOCRACIA, mas, em  querer   transformar  o  Brasil  numa  grande  pátria, onde  ele  pertencia  ao  foro de  são  paulo  uma  organização  criminosa  na  América  latina, onde  destruiu  a  economia  da  VENEZUELA, seu  sonho  que  não e nem deve  ser  realizado.



A  prisão  do  Lula  não  envolve  apenas  um  cidadão  comum e  sim  querendo  seus  opositores  ou  não  um líder  pra  quem  voltou  nele, envolve  também  estabilidade  da  Nação, pois  não  se  pode  confiar  no  atual  sistema  que  se encontra  no  Poder.

O  Processo  segue  um Rito, a sessão  marcada  para  as  08h30, de  24  de  janeiro , será iniciada   com  abertura  do  presidente do  TRF-4, desembargador  federal  Leandro Paulsen. Depois  disso  é a vez  do  relator   do  processo no  tribunal,  desembargador  João Pedro Gebran   Neto, fará a  leitura  do  relatório  do  processo. 

Na  sequência, o  Ministério  Público  Federal  se  manifesta  em  30 minutos, uma  vez  que  há  diversos  réus  envolvidos, seguido  pelos  advogados  de  defesa, com  tempo máximo  de  15  minutos  cada  réu.

Passada  essa  etapa, Gebran  lê  seu  voto e  passa  a palavra  para  o  revisor, desembargador  Paulsen. O presidente da  Turma é  seguido  pelo  desembargador Victor Luis  dos  Santos Laus. 

O  Presidente  da  turma  proclama  o  resultado, é  aqui  que  o  "  caldo"  pode  entonar,  caso  haja  pedido de  vista  que  é  comum  nos  processos  criminais  de  Segunda  Instância, o  processo  será  decidido em  decisão  futura .  A  Defesa  ainda  caberão  recursos.

O TRF-4 soltou um release com detalhes do julgamento do dia 24, lembrando que a sessão será a primeira da 8ª turma do tribunal, em 2018.

Leiam a nota:
“O julgamento da apelação criminal do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e mais seis réus iniciará às 8h30min do dia 24/1, na sala de sessão da 8ª Turma, na sede do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre. O processo será o único julgado nesta sessão, a primeira da 8ª Turma em 2018.
O recurso envolve o favorecimento da Construtora OAS em contratos com a Petrobras, com o pagamento de propina destinada ao Partido dos Trabalhadores e ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, por meio do apartamento triplex do Guarujá e do depósito do acervo presidencial. As imputações são de corrupções ativa e passiva e de lavagem de dinheiro. Esta será a 24ª apelação julgada pelo TRF4 contra sentenças proferidas em ações oriundas da Operação Lava Jato.
Além de Lula (condenado no primeiro grau a 9 anos e 6 meses), recorreram contra a sentença o ex-presidente da OAS, José Aldemario Pinheiro Filho (condenado em primeira instância a 10 anos e 8 meses), o ex-diretor da área internacional da OAS, Agenor Franklin Magalhães Medeiros (condenado a 6 anos), e o ex-presidente do Instituto Lula Paulo Okamotto (absolvido em primeira instância, mas requer troca dos fundamentos da sentença).
O Ministério Público Federal recorreu contra a absolvição em primeira instância de três executivos da OAS: Paulo Roberto Valente Gordilho, Roberto Moreira Ferreira e Fábio Hori Yonamine.

Caso confirmada a condenação, a determinação de execução provisória da pena pelo TRF4 só ocorrerá após o julgamento de todos os recursos do segundo grau. Os recursos possíveis são os embargos de declaração, utilizados pela parte com pedido de esclarecimento da decisão, e os embargos infringentes. Este último só pode ser pedido quando a decisão for por maioria e tenha prevalecido o voto mais gravoso ao réu. Por meio deste recurso o réu pode pedir a prevalência do voto mais favorável. Os embargos infringentes são julgados pela 4ª Seção do TRF4, formada pelas 7ª e 8ª Turmas, especializadas em Direito Penal, e presidida pela vice-presidente da corte.”


Fiquem de Olho <<>> Dia 23 de Janeiro abertura do edital do XXV Exame da Ordem











RENATO  SANTOS   10/01/2018    Atenção  Bacharéis  de  direito  estarão  abertas  a  temporada  de  Inscrição para  o  ingresso  ao  mundo  da  advocacia,  se  preparem,  estudem  e  boa  sorte.



A Coordenação Nacional do Exame de Ordem, através de seu titular Felipe Sarmento, secretário-geral da OAB, divulga o calendário previsto para os próximos Exames no decorrer de 2018. 


A previsão de datas está assim:


XXV EXAME DE ORDEM UNIFICADO
Publicação do Edital de Abertura 23/01/2018
Período de Inscrição 23/01/2018 a 02/02/2018
Prova Objetiva - 1.ª fase 08/04/2018
Prova prático-profissional - 2.ª fase 27/05/2018

XXVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO
Publicação do Edital de Abertura 29/05/2018
Período de Inscrição 29/05/2018 a 08/06/2018
Prova Objetiva - 1.ª fase 29/07/2018
Prova prático-profissional - 2.ª fase 16/09/2018

XXVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO
Publicação do Edital de Abertura 18/09/2018
Período de Inscrição 18/09/2018 a 28/09/2018
Prova Objetiva - 1.ª fase 18/11/2018
Prova prático-profissional - 2.ª fase 20/01/2019

Venezuela a Um Passo da Guerra Civil <<>> Produção Petrolífera Esta abaixo do que 28 anos atras O Socialismo Fracassado Brasil Tem que Se Preparar Para Tempo Difíceis em 2018









RENATO  SANTOS   10/01/2018  Herman Wang of Platts,  alerta a produção petrolífera da Venezuela cai para 28 anos abaixo e  pode   jogar  o  País  numa  guerra  civil.  Brasil  precisa  fechar  as  fronteiras  com  a  VENEZUELA  urgente  e  se  preparar  para  tempos  difíceis  em  2018.



Uma dívida impressionante, equipamentos e infra-estruturas que desmoronam, e demissões de trabalhadores de massa, atrasaram as décadas da indústria petrolífera da Venezuela, com especialistas dizendo que vêem poucas perspectivas de qualquer reviravolta. 


A produção bruta venezuelana despencou em dezembro para 1,70 milhões de b / d, de acordo com a última pesquisa da SCEP Global Platts OPEC divulgada na segunda-feira.

O nível de produção representou um declínio de 100.000 b / d a partir de novembro e um baixo não visto por mais de 15 anos, quando uma grande greve de dezembro de 2002 a fevereiro de 2003 manteve a produção. Sem contar os meses afetados pela greve, a produção da Venezuela foi a última baixa em agosto de 1989, há mais de 28 anos.

Fontes no país dizem que o novo presidente da PDVSA, Manuel Quevedo, um general de brigada na Guarda Nacional, que também foi nomeado ministro do petróleo do país em novembro, demitiu vários funcionários da empresa de alto nível na chamada purga de corrupção no final do ano e Essas pessoas ainda não foram substituídas.

A PDVSA também está enfrentando protestos internos e demissões generalizadas de pessoal da refinaria que temem um acidente grave, já que os protocolos de segurança não estão sendo seguidos, acrescentou as fontes, que falaram sob anomalia. Vários observadores do mercado colocaram a Venezuela no topo de suas listas de risco geopolítico, com a crise econômica e os problemas da PDVSA provavelmente continuarão, se não acelerar, em meio a ameaças de novas sanções nos EUA.

"A economia venezuelana pode entrar em colapso a qualquer momento", disse Torbjorn Kjus, analista do mercado de petróleo do banco norueguês DNB. "Poderíamos prever cenários que abranjam uma guerra civil definitiva para um golpe de Estado, uma greve geral ou mesmo um ano mais de estrangular a morte lenta da economia. Nenhum desses resultados é um bom presságio para a produção de petróleo venezuelana".

A empresa de serviços Baker Hughes, que acompanha a contagem de plataformas a nível internacional, informou nesta semana que a Venezuela tinha 50 perfurações em dezembro, a partir de 39 em outubro, que havia sido o menor desde 2003 durante a greve de trabalhadores.

Einstein Millan, analista autônomo da Venezuela, que trabalhava anteriormente para a PDVSA, estimou que a empresa precisaria de 100 a 110 plataformas ativas para reverter o declínio da produção, e muito menos alcançar uma diretriz presidencial de aumentar a produção de petróleo em 1 milhão de b / d. As taxas de retrocesso da plataforma e aceleração do campo reduzirão a produção petrolífera venezuelana em mais de 300.000 a 400.000 b / d em 2018, analistas com a previsão da Rapidan Energy, com sede em Washington.

A escassez de equipamentos é apenas uma parte do problema da Venezuela. Existem evidências de estágios avançados de corrosão e deterioração em grande parte da infra-estrutura operacional do país, incluindo gasodutos, instalações de compressão de gás, atuadores em bruto, instalações de armazenamento e refinarias.

Os analistas da ClearView Energy Partners, com sede em Washington, notaram nesta segunda-feira que o investimento da PDVSA caiu de US $ 25 bilhões em 2014 para US $ 11 bilhões em 2016, de acordo com suas demonstrações financeiras.

"Dada a escassez de caixa do país, não nos surpreenderíamos ao ver as despesas de capital da PDVSA diminuírem quando a empresa relata dados em 2017", escreveram os analistas.

Os problemas da Venezuela já abriram a porta para que outros produtores de petróleo, como o Iraque, o México e o Canadá, tomem sua participação no mercado.

SINAIS COMERCIAIS DE WOE

Há já alguns meses, as refinarias da Venezuela ficaram sem petróleo bruto para rodar em qualquer lugar perto da capacidade total, com a S & P Global Platts Analytics estimando que a produção de dezembro foi de cerca de 400 mil b / d "após várias interrupções e falta de matérias-primas".

O 955,000 b / d Centro de refinação Paraguana no noroeste da Venezuela estava operando em 336 mil b / d, ou 35,2% de capacidade, na semana passada, de acordo com um relatório técnico visto pela S & P Global Platts. Várias unidades foram desligadas devido a danos que a PDVSA não conseguiu reparar. Um incêndio também atingiu uma unidade de destilação em 29 de dezembro.

A refinaria El Palito de 140.000 b / d permanece fechada por falta de petróleo bruto para processar, de acordo com um operador, que falou sob anonimato e a refinaria de 187.000 b / d de Puerto La Cruz está operando em níveis baixos, também por falta de bruto, de acordo com autoridades sindicais, embora não houvesse números disponíveis.

Fontes de nafta dos EUA disseram que o interesse venezuelano na compra de nafta reformadora - amplamente usado para produzir componentes de gasolina de alta octanagem - das fontes da Costa do Golfo diminuiu nas últimas semanas, um sinal de problemas de refinaria.

Millan disse que as refinarias viram vários protestos trabalhistas nos últimos meses, com mais funcionários que provavelmente sairão nas próximas semanas. "O nível de tensão interna é tal que o risco de acidentes devido à administração inadequada de sistemas, equipamentos e infra-estrutura instalada aumentou para níveis realmente críticos, o que poderia levar a cenários catastróficos", escreveu ele em um relatório recente.

A falta de petróleo para processar forçou a PDVSA a aumentar suas compras de produtos refinados no mercado internacional para abastecer o consumo interno. 


No final de 2017, a empresa começou a negociar diretamente com os comerciantes para trocar gasolina, diesel, nafta, butano e outros produtos para entregas brutas em janeiro, de acordo com uma fonte do Departamento de Comércio e Abastecimento da PDVSA, falando sob anomalia.

A PDVSA também vendeu gasolina natural ("C5") na costa leste dos EUA, com Vitol levando 165 mil barris a bordo do Norient Solar em Nova York em 27 de dezembro e a PetroChina levando 164 mil barris a bordo da Elka Eleftheria dois dias depois em Newark, Nova Jersey, disseram fontes do mercado.

C5 é usado frequentemente para diluir o petróleo pesado, e as vendas sugerem que a PDVSA não possui petróleo bruto para diluir suas refinarias.

"Eles precisam de dólares com certeza", disse uma fonte de produtos refinados dos EUA na semana passada das ofertas do C5.

PDVSA DIVESTMENTS ON TAP?

Os problemas da Venezuela foram agravados pelas sanções dos EUA, incluindo restrições à negociação de novas dívidas e equidade, o que dificulta os esforços da PDVSA para reestruturar sua esmagadora dívida. A PDVSA está perto de US $ 90 bilhões em dívida e chegou perto de inadimplente em vários pagamentos recentes.

O governo dos EUA, o presidente Donald Trump, impôs as sanções depois que o presidente venezuelano, Nicolas Maduro, convocou uma polêmica Assembléia Constitucional no verão passado, em meio a uma repressão mortal aos manifestantes da oposição.

Funcionários de Trump disseram que a administração se reserva o direito de emitir novas penalidades, incluindo proibições potenciais sobre as vendas de produtos petrolíferos dos EUA à Venezuela ou restrições às exportações de petróleo da Venezuela, se considerar a contínua repressão política e a corrupção.

Maduro anunciou na semana passada que a Venezuela, nos próximos dias, emitiria 100 milhões de "petros", uma criptografia tipo bitcoin apoiada pelos recursos petrolíferos do país, para ajudar a ignorar as restrições de sanções em sua dívida.

Cada petro deve valer o valor de um barril de petróleo, embora especialistas tenham duvidado que os investidores estejam ansiosos para adotá-lo. 


Líder da Venezuela através de sua crise do petróleo é Quevedo, 50, que apesar de não ter experiência aparente na indústria, foi direcionado para reestruturar a PDVSA e aumentar a produção de petróleo da Venezuela em 1 milhão de b / d. Os detalhes deste plano são escassos.

Fontes disseram à S & P Global Platts que um modelo em estudo envolve a PDVSA renunciando a interesses parciais em uma refinaria ou projetos que envolvem gás bruto ou gás extra extra em troca de financiamento ou empréstimos que seriam reembolsados ​​com produtos brutos ou refinados.

Mas, exceto por algumas empresas russas e chinesas, os parceiros preferenciais e aliados do governo venezuelano, é difícil identificar as empresas dispostas a investir sem garantias de que seus ativos e lucros não serão confiscados quando e se os preços do petróleo subirem e o governo de repente decide que não precisa compartilhar a riqueza.

Quevedo, cujo Twitter accontam em grande parte o fervor nacionalista de Maduro e outros funcionários e escritórios do governo, pouco diziam aos jornalistas na última reunião da OPEP, realizada em 30 de novembro, em Viena. Ele está programado para participar de uma reunião de 21 de janeiro em Omã do comitê de monitoramento da OPEP / não-OPEP, da qual a Venezuela é membro. 


A produção em declínio da Venezuela tornou o mais compatível - se for caso disso - membro do país de 24 países OPEP / coligação não-OPEP que implementou cortes de produção para ajudar a elevar os preços. 


As transferências de petróleo brasileiro para os EUA, seu maior destino de exportação, caiu 1,7 milhões de barris de novembro a dezembro, de acordo com dados do Censo dos EUA. 


Sua produção média de 1,897 milhões de barris por ano para 2017 foi inferior à sua quota no âmbito do acordo de 1,972 milhões de b / d, tornando-se 179% compatível, de acordo com dados da pesquisa da SCEP Global Platts OPEC.

Anuncio

Seguidores

CAMPANHA PRA VENEZUELA

CAMPANHA  PRA  VENEZUELA
PRECISA DE AJUDA HUMANITÁRIA

As principais matérias do blog