GAZETA CENTRAL ( BLOG)

GAZETA  CENTRAL  (  BLOG)
Sugestões : Reclamações e Denuncias

EXCLUSIVO : GAZETA CENTRAL ( BLOG) INVESTIGOU : AGORA SE CONFIRMA " VENEZUELA ES EL PAÍS LATINOAMEREICANO QUE RECIBIÓ MÁS DINERO DE BNDS ENVUELTO EN CORRUPCÍÓN <<>> VALOR US$ 3.231 MILHÕES EM CRÉDITOS <<>> 22% DE UM TOTAL DE US$ 140 BILHÕES DE DÓLARES <<>> NA ÉPOCA DO LULA E DILMA <<>> DINHEIRO QUE CORROMPEU A JUSTIÇA VENEZUELANA CHAVISTAS A QUAL MANTÉM LEOPOLDO LOPES E OS ESTUDANTES NA PRISÃO


Venezuela es el país latinoamericano que recibió más dinero de banco de Brasil envuelto en corrupción




RENATO SANTOS  29/01/2017    Com trabalhos em conjunto de investigação, o BLOG GAZETA CENTRAL e @boonbar  , complica a situação de todos os envolvidos na OPERAÇÃO LAVA JATO, E RUNRUNES .


O nome do LULA e de DILMA, as visitas de NICOLAS MADURO no Brasil, as viagens secretas de LULA, há bilhões de dólares no BANCO CENTRAL VENEZUELANO, e outros na SUIÇA que o governo CHAVISTAS E MADURENCES , levaram. 

 Além de manter a ditadura  de NICOLAS MADURO na VENEZUELA, as empresas também mantém presos LEOPOLDO LOPES e todos os opositores inocentes, incluindo os ESTUDANTES VENEZUELANOS.

 Deste  as investigações que o nosso colaborador andou fazendo IRBING VALESCO em 2014, quando desconfiou que as empresas brasileiras davam apoio numa eleição que nunca  deu vitória a um ditador venezuelano, por de baixo dos " panos", pois a eleições foram  fraudulentas .



 AS CONSTRUTORAS 




Construtoras brasileiras na Venezuela recebeu US $ 3.231 milhões em créditos e Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) do Brasil, Económico e representando 22% de um total de $ 14000000000

Odebrecht, Andrade Gutierrez e Camargo Correa empréstimos recebidos 8 6 projetos de infraestrutura na Venezuela que estão atrasados ​​ou paralisados. Eles têm entre 20% e 95% de execução

Venezuela é o mais afetado pela suspensão de 5 obras após a operação Lava Jato investigando por dois anos a maior parcela de corrupção na história do Brasil país. A Venezuela foi o primeiro país da América Latina e o segundo no mundo a receber maior orçamento para correr e megaprojetos pelo Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) do Brasil. 

Esta agência estatal aprovou 17 créditos com mais de 14 anos para 9 empresas brasileiras contratadas pelos governos de Hugo Chávez e Nicolas Maduro, 3 dos quais estão ligados à operação "Lava Jato", considerada a maior investigação de corrupção contra os empregadores e políticos latino-americanos.

Empresas de construção Norberto Odebrecht, Andrade Gutierrez e Camargo Correa recebeu US $ 3,231,648,212 BNDES distribuídos em 8 créditos para o desenvolvimento das 6 grandes projetos de infraestrutura na Venezuela. 

Desse total, apenas um, linha 3 do Metro de Caracas, foi entregue. Os restantes 5 têm entre 20% e 95% de execução de acordo com o Registo Nacional de Empreiteiros (RNC).

As obras na Venezuela que obtiveram empréstimos do BNDES foram a construção da Linha 5 do Metrô de Caracas e Metro Linha 2 de Los Teques (pela Odebrecht); projeto de saneamento e desenvolvimento da Bacia do Rio Tuy (Camargo Correa): Estaleiro Aço Nacional em Bolívar e Sucre estado Alba (Andrade Gutierrez).

A Venezuela foi privilegiada na distribuição de US $ 14 bilhões em empréstimos fornecidos pelo BNDES durante os governos de Lula da Silva (2003-2011) e Dilma Rousseff (2011-2016), como parte da política de internacionalização econômica adotada pelo Brasil em 2007 por meio de BNDES e as excelentes relações bilaterais. 

É o segundo país, depois de Angola ($ 3.990) para o qual a entidade estatal do Brasil aprovou o aumento do financiamento (24% do total) em um grupo de 22 países (14 na América Latina, 2 na América do Norte, 3 de África e um da Europa ).

Este montante está longe dos US $ 20 bilhões, de acordo com um 2014 jornal Valor Econômico São Paulo, contratos alcançar as 4 empresas em Venezuela: Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Odebrecht e Queiroz Galvão. 

A figura não pôde ser confirmada pelo venezuelano Câmara Brasileira em Caracas, de acordo com a Transparência Venezuela.

Apesar de ser o segundo país beneficiou de empréstimos do BNDES, Venezuela mantém escândalo silêncio contra o processo de Lava Jato. 

Enquanto no Brasil foram presos ex-presidente do BNDES e gestores das três empresas de construção implicou a execução de obras em Caracas, Miranda, Sucre e Bolívar, a estatal venezuelana ainda não respondeu ao pedido de informação formulado Transparencia Venezuela março 2016 em 32 obras atribuídas a Odebrecht (32), Camargo Correa (4), Andrade Gutierrez (2) e Queiroz Galvão (1).

Nem as autoridades locais decidiu práticas cartelização destes construção que entrou em propostas para declarar a Petrobras para ganhar obras públicas e pagamento de comissões e beneficiar o Partido dos Trabalhadores (PT), que pertencem Da Silva e Rousseff, como evidenciado pela promotores brasileiros.

A opacidade tem caracterizado as relações financeiras do BNDES, no âmbito do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil. 

No entanto, uma investigação pelo site peruana Public Eye revelou que as quantidades de 42% dos 1.381 empréstimos a empresas brasileiras para o desenvolvimento de projetos e investimentos em 22 países, incluindo Venezuela. Na proporção de figuras cálculos oficiais deste relatório se baseiam.

Um pedido de informação por parte do BNDES no Brasil, Public Eye só poderia acessar os detalhes de 583 das 1.381 empréstimos concedidos pelo banco publicada entre 2002 e 2016, ou seja, 42%. Os restantes 798 (58%) permanecem em segredo: O BNDES afirmou ser empresas privadas "não estão autorizados a ser revelado."

trabalho interrompido

Venezuela é a mais afectada pela medida de suspensão de infra-estrutura para a trama de corrupção investigando por dois anos a operação Lava Jato no Brasil, de acordo com um relatório divulgado pelo Grupo Diarios América (GDA), em 11 de dezembro de 2017 país . 

Sequência de queixas contras as empresas envolvidas em irregularidades, paralisado financiamento do BNDES 3.600 milhões para 16 obras na América Latina.

No caso da Venezuela, eles terão de renegociar cinco projectos, incluindo a expansão do Metro de Caracas, cujas obras recebeu 1.280 milhões do BNDES, eo destino estaleiro Astialba para fazer navios-tanque de petróleo Estado são Venezuela (PDVSA) através da sua filial PDVSA Naval.

outras empresas

Em obras na Venezuela, a informação apenas 8 dos 17 créditos concedidos pelo BNDES para algumas empresas privadas (3 deles Odebrecht) é conhecido.

9 créditos cujos valores são desconhecidos foram concedidos a Marco Polo Trading, a maior fábrica de montagem de ônibus no Brasil; Alstom Hydro Energy Brasil; Cotia Trading; Metso Brasil Indústria e Comércio; Sistemas PDL; e Embraer, conhecido fabrica aeronaves que corresponde ao plano presidencial que comprou o governo venezuelano em 2007. 

E ratificado e que a Venezuela tem sido expansão do campo de grandes empresas brasileiras durante Lula Dilma era.

Caso especial: Odebrecht


Constructora Odebrecht recebeu, que foi o principal beneficiário do BNDES na Venezuela. Ele recebeu 8 bilhões em empréstimos do banco, agora é acusado de liderar o cartel de empresas que conseguiram contratos em cumplicidade com a Petrobras.

Em 2007, ele ganhou as cinco grandes obras: Metro Linha 5, Linha II de Los Teques, linha de Guarenas-Guatire, complementatios de trabalho para o Metro Cabo San Agustin e Tocoma hidrelétrica

Entre os 5 projetos na Venezuela, dois estão sob investigação pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para "possíveis irregularidades no financiamento": linha 2 do Los Teques e Caracas 5. Segundo documentos do TCU reservados, verificou-se que a construção e o governo venezuelano recebeu mais dinheiro do projeto $ 747.000.000 inicialmente previsto.

Segundo documentos do TCU reservados vazou para a mídia brasileira, a construção e o governo venezuelano recebeu mais dinheiro do que o inicialmente previsto do projeto, 747 milhões de dólares, sem também apresentar as garantias exigidas pelas normas do BNDES.

Como parte das investigações, em meados de julho, as autoridades judiciais brasileiras pediu ao Ministério das Relações Exteriores Itamaraty uma "cópia integral" de todos os documentos com referências a construção Venezuela e Odebrecht entre 2005 e 2015.

Mas Odebrecht tem mostrado gestos de querer cooperar com a investigação a ser conduzida pela Assembleia Nacional sobre supostas irregularidades no sector da electricidade. Em 7 de agosto, 2016, apropriou 6 caixas de documentos à Comissão de Administração e Serviços do parlamento.

 Empresas na mira

Runrunes tentou obter uma explicação sobre as empresas envolvidas e teve financiamento através Bandes para a execução de obras na Venezuela.

Camargo não respondeu ao pedido de informações enviadas para e indicando o Registro Nacional de Empreiteiros (RNC), em Caracas. Ninguém atendeu o telefone listado no registro da empresa.

Tendo em conta os dados do RNC, a empresa Andrade Gutierrez respondeu ao pedido de esclarecimento entrevista que não foram autorizados a reunir-se em Caracas e que perguntas devem ser encaminhadas para a sede no Brasil.

Constructora Odebecht contato na Venezuela, a fim de saber detalhes sobre a renegociação de empréstimos do BNDES na sequência da investigação de corrupção foi alcançado, mas a resposta ao fechamento desta edição esperado.


Anuncio

Nossos Leitores Obrigado Por Ler

Seguidores

CAMPANHA PRA VENEZUELA

CAMPANHA  PRA  VENEZUELA
PRECISA DE AJUDA HUMANITÁRIA

As principais matérias do blog