Nossos Leitores Obrigado Por Ler

SIRIA <<>> O DITADOR ASSAD REDUZIU EM 18% O TERRITÓRIO CONTROLADO PELAS SUAS FORÇAS





RENATO SANTOS 07/04/2017  O território totalmente controlado pelas forças do presidente Assad reduziu-se em 18% entre 1 de Janeiro e 10 de Agosto de 2015 para 29.797 km2, cerca de um sexto do país, de acordo com os dados mais recentes produzidos pelo IHS Conflict Monitor.





Em um discurso recentemente televisionado, o presidente Assad admitiu que era necessário concentrar-se em deter certas áreas de maior importância estratégica, sacrificando outras. 

As áreas chaves que Assad não pode ter recursos para perder incluem a capital Damasco, as províncias costeiras alawitas de Latakia e Tartous, ea cidade de Homs como a conexão vital entre elas. Estes são susceptíveis de ser defendida, mesmo à custa de perder outras grandes cidades como Aleppo ou Dar'a.

Assad também afirmou que a escassez de mão-de-obra era o maior desafio para o esforço de guerra do governo. Acredita-se que o exército sírio tenha perdido cerca de 50% de sua força pré-guerra de 300 mil. Muitos dos soldados restantes são conscritos alawitas muito jovens, enviados para as linhas de frente com treinamento mínimo e baixa moral.

Por mais de um ano, o governo vem realizando verificações pontuais de homens jovens nas ruas das cidades alauitas, de acordo com uma fonte da IHS em Latakia. Aqueles incapaz de fornecer uma isenção válida de serviço são imediatamente detidos e matriculados no exército.

Um dia antes de seu discurso, o Presidente Assad emitiu um perdão a qualquer pessoa que tivesse evitado o serviço militar, com a condição de que eles se inscreverem ou se reintegrarem ao exército. Isso indica que o governo não tem mais a capacidade de substituir soldados mortos ou feridos com sírios e ficará ainda mais dependente de combatentes estrangeiros para reforçar suas fileiras.

O aumento das perdas territoriais sofridas pelo governo desde março de 2015 é provavelmente um resultado direto da Arábia Saudita, Turquia e Catar reforçando seu apoio aos grupos sunitas e criando novas e poderosas coalizões como Jaysh al-Fatah.

No entanto, há um outro fator que é susceptível de conduzir mais perdas do governo nos próximos meses. O Estado islâmico está buscando expandir suas operações no oeste da Síria e estender seu controle territorial da área de Palmyra recentemente apreendida para a fronteira libanesa.

Os combatentes do Estado islâmico atravessaram o Líbano em 20 de julho, tomando o controle do Hizbullah e das forças do governo sírio na área montanhosa de Tallat Na'imat, perto da fronteira sul de Homs. Desde então, eles usaram a área para sitiar a base da 67ª Brigada do Exército Sírio, que fica adjacente à rodovia M5, a principal ligação de transporte entre Damasco e a cidade de Homs. O estado islâmico também está se aproximando da mesma área a partir do leste, onde tomou o controle de Qariyatayn em 5 de agosto.

Devido ao seu significado estratégico chave, as forças governamentais provavelmente redistribuirão recursos significativos de outras linhas de frente para a rodovia M5, a fim de evitar que as áreas remanescentes mantidas pelo governo no oeste da Síria sejam divididas.

Mesmo se as forças governamentais tiverem sucesso em defender seu território central contra o Estado Islâmico, provavelmente virá à custa de perder mais território na periferia nas próximas semanas e meses, provavelmente incluindo a cidade de Dar'a, no sul do país.

O IHS Conflict Monitor registra cerca de 1.000 eventos de indicadores geocodificados manualmente para a Síria e o Iraque a cada semana a partir de mídias sociais e outras fontes abertas, alimentando um conjunto de dados que chega a janeiro de 2014. O Monitor inclui análises periódicas dos dados por especialistas do IHS, Insights sobre as táticas, atividades e capacidades dos atores armados, bem como mapear a progressão do conflito em detalhes sem precedentes.

Anuncio

Seguidores

CAMPANHA PRA VENEZUELA

CAMPANHA  PRA  VENEZUELA
PRECISA DE AJUDA HUMANITÁRIA

As principais matérias do blog