GAZETA CENTRAL ( BLOG)

GAZETA  CENTRAL  (  BLOG)
Sugestões : Reclamações e Denuncias

Há Indícios que LULA atuou também <<>> NO PERU <<>> MINISTÉRIO PUBLICO DO PERU FEZ ACORDO COM A ODEBRECHT SOBRE PAGAMENTOS DE PROPINAS AO GOVERNO DOS EX PRESIDENTES ALEJANDRO TOLEDO: ALAN GARCIA : E OLLANTA HUMULA






RENATO SANTOS 10/01/2017  No dia 19/04/2016  o ex- presidente do Peru, Ollanta Humala, prestou depoimento nesta segunda-feira ao Ministério Público sobre as anotações nas agendas de sua esposa, Nadine Heredia, que poderiam configurar uma denúncia por suspeita de lavagem de ativos, e seus supostos vínculos com o escândalo de corrupção revelado pela Operação Lava Jato no Brasil, Vai ser convocado novamente .



Humala foi interrogado no palácio de governo por mais de 12 horas como parte das investigações no caso das anotações de sua esposa, que atualmente preside o Partido Nacionalista, que aparentemente incluem contribuições financeiras para o governo.
Uma comissão parlamentar também está investigando o caso e este ano decidiu pela quebra do sigilo bancário de 432 pessoas físicas e jurídicas, entre elas Nadine Heredia, os ex-presidentes Alan García e Alejandro Toledo e o ex-ministro e candidato presidencial Pedro Pablo Kuczynski.
Em março deste ano, a esposa de Humala declarou à comissão investigadora do Congresso que acompanhou o presidente em reuniões com empresários quando ele era candidato, "mas que isso não significou nenhum tipo de contribuição econômica, nem alguma especificação sobre projetos".
A primeira-dama reiterou que acompanhou Humala nas reuniões com empresários de diversas nacionalidades, anotadas em suas agendas, entre eles brasileiros investigados na Operação Lava Jato, durante a campanha eleitoral, antes de sua chegada ao poder em julho de 2011.
"Isso não significou, em nenhuma dessas reuniões, propinas, comissões ou qualquer vinculação a respeito de algum projeto, concessão ou obra", ressaltou Nadine Heredia.


EFE. Na quinta feira 05-01/17  a Justiça do Peru fez um acordo com a ODEBRECHET , adivinha , o Ministério Público do Peru anunciou nesta quinta-feira que chegou a um acordo com a construtora brasileira Odebrecht para obter informações e um pagamento sobre as propinas que a companhia pagou para funcionários peruanos nos últimos anos.

"Depois de 11 horas de conversas, a Procuradoria alcança acordo com a Odebrecht para obter informação e pagamento", afirmou o Ministério Público do Peru em mensagem publicada em seu perfil no Twitter.

No Peru, a empresa pagou US$ 29 milhões em propinas para funcionários entre 2005 e 2014, anos que compreendem os governos de Alejandro Toledo (2001-2006), Alan García (2006-2011) e Ollanta Humala (2011-2016), conforme revela o acordo assinado na semana passada pela Odebrecht com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Na segunda-feira passada, o procurador-geral do Peru, Pablo Sánchez, e o promotor anticorrupção Hamilton Castro anunciaram que o Ministério Público negociou a fim de conseguir informações sobre os subornos e um pagamento da Odebrecht.

Os fiscais assinalaram, em entrevista coletiva, que tais informações permitirão reduzir o tempo da investigação sobre o caso e esclareceram que o pagamento inicial solicitado não deve ser confundido com a eventual indenização que a empresa deverá pagar.

Após o pronunciamento do Ministério Público peruano, a Odebrecht reiterou, em comunicado, seu compromisso e cooperação com as investigações em curso no país, e acrescentou que continuará fazendo reformas integrais em sua organização, inclusive com a implementação de um novo Sistema de Conformidade Anticorrupção.

O caso Odebrecht também será investigado por uma comissão do Congresso, que será presidida pelo parlamentar fujimorista Víctor Albrecht.

A chamada "Comissão Lava Jato" terá 180 dias de prazo para cumprir a ordem dada no último dia 10 de novembro pelo plenário do Congresso.

A moção aprovada em novembro especificou que a missão do grupo será "investigar os supostos subornos, propinas e presentes recebidos por funcionários e servidores públicos dos diferentes níveis de governo".

A investigação será feita sobre "as concessões, obras e projetos que tenham sido concedidos às empresas brasileiras Odebrecht, Camargo Corrêa, OAS, Andrade Gutiérrez, Queiroz Galvão e outras, desde o início de suas atividades até o momento, sob qualquer forma de contrato com o Estado Peruano".

O caso voltou aos holofotes depois que o Departamento de Justiça dos EUA informou no final de dezembro que a Odebrecht pagou aproximadamente US$ 788 milhões (R$ 2,5 bilhões) em subornos em 12 países, inclusive no Brasil, para obter contratos públicos.

O primeiro-ministro peruano, Fernando Zavala, anunciou na quarta-feira que a Odebrecht não poderá participar de uma licitação no país e que "nas obras em execução" a empresa vai "assegurar a continuidade do serviço, enquanto são realizadas as investigações correspondentes.

Anuncio

Nossos Leitores Obrigado Por Ler

Seguidores

CAMPANHA PRA VENEZUELA

CAMPANHA  PRA  VENEZUELA
PRECISA DE AJUDA HUMANITÁRIA

As principais matérias do blog